View Colofon
Original text "Venirea" written in RO by Alexandru Potcoavă,
Other translations
Mentor

Manuela Zamith

Proofread

Paulo Capinha

Published in edition #2 2019-2023

O regresso

Translated from RO to PT by Cristina Visan
Written in RO by Alexandru Potcoavă

As coisas descarrilaram em agosto, num domingo de manhã, quando os primeiros transeuntes da Place du Parvis Notre-Dame, empregados dos cafés da zona, viram o objeto, algo como uma bala gigantesca assente no solo com a ponta virada em direção à catedral e a parte traseira na direção da esquadra de polícia. Numa primeira estimativa, o projétil media por volta de vinte metros de comprimento e cinco de diâmetro. Os empregados de mesa e de bar aproximaram-se com curiosidade, deram uma volta, encolheram os ombros e foram abrir os restaurantes. Isto foi por volta das sete.

Por volta das oito, os padres e os acólitos, que chegaram para a missa, ficaram atrapalhados diante dos portões e esfregaram os olhos.

— Mas então o que é isto? disse surpreso o bispo e foi em passo miudinho em direção ao estranho objeto que tinha pousado durante a noite no meio da praça. Entretanto o sol que se tinha levantado, fazia-o brilhar, resplandecente.

— Seria por acaso o bastão de luz que conduziu Moisés pelo deserto? propôs um dos fiéis que se tinham juntado.

— Acha? ficou surpreso um outro.

— Acho, claro.

— Não, não. Acreditam que isso é o guia divino dos judeus no êxodo? Aquele da Bíblia?

— É possível, pensou o fiel.

— Bem. E o que está aqui a fazer?

— É um sinal do Ceú! A nossa viagem na terra acabou e chegou o Último Dia. Sinto que, a qualquer momento, poderá abrir-se uma porta e por ela aparecerá Jesus, que nos dirá para subirmos, porque somos nós os escolhidos para sermos levados diretamente para o Paraíso.

— Depois, vai desencadear-se a guerra do fim do mundo e o planeta será queimado, com todos aqueles que ficarem – os adeptos da Besta, sussurra o chefe do clero. Bem, mas quem é o Anticristo?

— Isso ainda importa?

— Pois, disse o bispo e decidiu dizer a missa lá fora.

Os acólitos apressaram-se a trazer-lhe o que era necessário e sua excelência reverendíssima abençoou e defumou com incenso o projétil divino para o qual só se podia olhar com óculos de sol. Os fiéis começaram a perceber o que se passava e todos eles se ajoelharam. Atrás deles, as primeiras vagas de turistas, correram para tirar fotografias. Algumas dúzias de japoneses subiram à estátua equestre de Carlos Magno para ver melhor através das objetivas das câmaras de filmar. Estavam em êxtase: os seus amigos, que tinham visitado Paris antes deles, não tinham encontrado nada assim e tinham-se gabado de ter apanhado tudo no filme, desde a Torre Eiffel até ao último modelo de caixote de lixo.

Às nove horas, a praça diante da catedral de Notre-Dame tinha-se enchido de gente como nunca antes acontecera. Os fiéis chamaram pelo telefone os familiares e conhecidos, dezenas de televisões tinham-se instalado e tinham entrado em direto, a polícia esperava ordens superiores, os bombeiros tinham ligado quilómetros de mangueiras às bocas de incêndio e esperavam alertas, caso algo pegasse fogo ou se fosse necessário dispersar a multidão, os médicos e os enfermeiros do Hôtel-Dieu estavam preparados para intervir com macas e perfusões e os doentes que se encontravam no hospital tinham ido às janelas tentando adivinhar alguma coisa por entre os ramos dos castanheiros. Escassas hipóteses.

Quando o serviço religioso católico acabou, um grande grupo de cidadãos com chapéus avançou, seguindo o rabino. Os judeus abriram alas com os cotovelos e chegados junto ao objeto começaram a saudá-lo com muitas e profundas vénias. Do outro lado, os muçulmanos avistaram um lugar, estenderam os seus tapetes de oração e prostraram-se com as caras no chão. Enquanto isto, o bispo tinha sido assaltado por repórteres, a quem explicava aquilo a que todos ali assistiam, ou seja, o mais provável, a segunda chegada do Redentor.

— Compreendo, disse um homem com um microfone. Mas porque não escolheu o Vaticano? Ou Jerusalém?

— Sabe-se lá? sorriu o bispo, orgulhoso e um pouco mais enigmático do que o necessário.

Por volta das onze, tinham-se formado alguns cortejos que tinham penetrado com dificuldade, após longa insistência, até junto da embaixada celeste. Eram ortodoxos, protestantes e neoprotestantes que tinham ouvido na televisão o que se passava no coração de Paris e não podiam perder esse momento.

— Acredita que o Filho do Homem vai descer hoje para o meio de nós? apressaram-se os repórteres para o rabino.

— Porque é que querem saber? cortou-lhes ele o avanço e desapareceu.

— O que é que esperam desse encontro? confrontaram os jornalistas o imã.

— Vocês vão ver, sorriu ele ligeiramente e regressou para junto dos seus.

— Alguns iluminados diziam que a chegada do Messias seria algures no Leste. Mais precisamente na Roménia. Eis que Ele pode estar aqui, mesmo, agora. Como comentam isso?

— Não estou aborrecido, assegurou-lhes um padre ortodoxo entredentes. - A capital da Roménia é chamada de Pequena Paris, mas como tantos romenos se encontram aqui, ao lado do Sena, não me surpreende que até Ele tenha confundido as cidades, tal como todas as superestrelas mundiais dizem Budapeste em vez de Bucareste. Portanto podia ter sido ainda pior.

— Portanto, Jesus é igual a uma superestrela?

— Claro! intrometeu-se um neoprotestante. - Têm dúvidas? Ainda bem que tiveram certezas quanto ao John Lennon ou ao Michael Jackson! Deixem-se estar, vão esclarecer isso muito em breve.

— Voltem às vossas casas e descansem para um novo dia de trabalho, disse calmamente o pastor protestante. - Nada vai acontecer. Aquele objeto é um gadget, e Deus não pode caber numa coisa assim.

— Caros cidadãos, conclui um professor da Sorbonne. - Bati com o dedo nessa coisa, ouvi-lhe o eco e isso confirmou-me as suspeitas. Por isso quero assegurar-vos do seguinte: a transcendência está vazia! Portanto tudo depende só de nós.
Quando chegou a hora do almoço, a Ile de la Cité tinha-se afundado quase um metro por causa do peso das dezenas de milhar de pessoas que a enchiam, transmitindo de boca em boca os últimos rumores e novidades que vinham das primeiras filas. Os representantes do clero de várias confissões partilhavam o acesso direto ao venerável projétil, guardando-o bem para que se fizesse o possível para que não fosse tocado pelo povo. As missas e orações decorriam ininterruptamente, o fumo do incenso subia por todos os lados em direção ao céu. A cidade tinha paralisado, esperando que acontecesse o milagre. Nos cafés oferecia-se de graça, os cigarros passavam entre pessoas próximas, os mendigos dos alucinogénios bebiam da mesma garrafa que os nativos sem-abrigo, as fronteiras entre religiões, nações, orientação política e estatuto social tinham-se anulado pelo menos por precaução.

O almoço passou para depois do almoço e ele por sua vez passou para o fim do dia. A tensão crescia com qualquer palavra ou opinião espalhada através do telefone sem fios da multidão. As televisões tinham instalado alguns ecrãs gigantescos em várias esquinas, que apresentavam a transmissão em direto. As pessoas estavam com um olho na televisão e o outro nas câmaras que passavam perto delas, gritando quando os operadores de câmara dos carrinhos de emissão passavam as suas imagens. Sabiam que estavam a ser vistos pelo mundo inteiro, por isso acenavam ininterruptamente com convicção.

Ao fim do dia, o espetáculo público foi interrompido pela aparição nos ecrãs de um indivíduo de fato, que fez a monótona leitura de um comunicado. Representante de uma conhecida empresa de produtos médicos, o senhor de gravata começou por pedir desculpa pela confusão criada, depois esclareceu que o objeto situado frente a Notre- Dame não era mais do que publicidade, não-convencional, é certo, mas completamente inocente, ao mais novo supositório lançado no mercado e convidou toda a gente a experimentá-lo. O PR saiu da emissão acompanhado por uma vaga de vaias. Desanimadas e desapontadas, as pessoas desistiram de esperar por alguma manifestação imediata da divindade, mandaram o ecumenismo, definitivamente ou pelo menos até à próxima ocasião, dar uma grande volta e foram para casa. Em pouco tempo, a ilha regressou completamente à superfície e a praça da catedral esvaziou-se quase por completo. Os padres retiraram-se embaraçados, e por um lado contentes, porque de todo esse transtorno, ficaram mesmo assim com um ensaio geral de sucesso. A grandiosa bala ficou ao dispor dos transeuntes e dos apaixonados, que se apressaram a escrever a marcador os seus nomes na superfície lisa e escura. Em breve, o seu lugar foi ocupado pelos adeptos das teorias da conspiração, convictos de que tudo isso é uma mentira do governo e de que alguma coisa se deve esconder lá dentro. Ficaram de vigília algumas horas junto ao objeto, mas, visto nada acontecer, foram-se deitar porque no dia seguinte era uma segunda-feira ou melhor dizendo um novo dia de trabalho feito ao serviço da oculta judaico-maçónica universal.

Perto da meia-noite, na praça deserta sob a lua cheia, a polícia trouxe um camião e duas gruas, para carregar o projétil esvaziado de significados extramundanos e levá-lo dali. Os trabalhadores tentaram prendê-lo com alças quando ele, de repente e autónomo, se elevou do passeio, levitou algum tempo sobre a cidade e desapareceu sem rasto no céu. Depois disso, as equipas de limpeza entraram em ação e as coisas voltaram mais uma vez ao normal.

More by Cristina Visan

Trilogia do sexo errante

Diante do portão da tia Nicoleta havia muita gente vinda para acompanhar o tio Titi no seu último caminho, o tio Titi que, embora gostasse da pinga, era gente boa, alegre, grande azar para a sua mulher, gente nova, nunca se sabe o que Deus traz, mas a sua mulher cuidou dele, todos os dias lhe punha uma compressa fria na testa, e até o levou a todos os médicos, e olhe que até neste momento, o faz com muito esplendor, vide o caixão de que madeira boa, bordo parece-me, e como trouxe mulheres para cozinhar durante três dias para o banquete de despedida, e foi sozinha ter com o padre Cristea e bate...
Translated from RO to PT by Cristina Visan
Written in RO by Cristina Vremes

Sónia levanta a mão

Por estes lados, as pessoas são muito desconfiadas. Mas não se sabe se noutros sítios a iriam receber de braços abertos. As pessoas do lado dele. Os do outro grupo. Não conhece, no círculo dela, casais das gerações anteriores, em que os dois sejam amigos, e não inimigos, mesmo que fiquem juntos até à velhice. Algures no mundo talvez existam os que ainda ficam amigos a vida toda e para além dela, mas são poucos, extremamente sortudos e bem escondidos aos olhos dos outros, de tal forma, que, olhando à tua volta, tu, jovem, possas estar quase convencido de que quem está ao teu lado chegará a dest...
Translated from RO to PT by Cristina Visan
Written in RO by Lavinia Braniște

O zumbido

No comboio, na última parte da viagem, tinha visto pela janela pegajosa as bordas do céu. Levantou-se para ver também do outro lado da carruagem e aproximou-se do homem adormecido com a cara escondida atrás do cortinado e com a mão direita firmemente pousada na pequena mala de viagem, que estava no assento ao lado. Sim, da sua janela via-se o mesmo. Um cobertor compacto, azul índigo, num plano paralelo ao campo extenso, cheio de molhos secos. E na sua orla, um azul aberto e claro, como um mar afastado, suspenso entre o céu e a terra. Por cima da camada índigo, estava sol. Quando se levantou,...
Translated from RO to PT by Cristina Visan
Written in RO by Lavinia Braniște

O reencontro

Já chega. Arrumei as malas, o fato na capa, a calçadeira de sapatos e entreguei a chave. Até casa tenho de conduzir durante seis horas, mas o caminho de regresso é mais curto. Abri a janela e, com a cabeça de fora, atravesso cada vez mais rápido a avenida principal da cidade. No fresco da noite e da velocidade, o ar corta-me a face e isso recorda-me a aspereza da esponja desmaquilhante. Tenho uma tez sensível e não suporto com facilidade o tratamento que os apresentadores do noticiário têm de fazer para não se parecerem com uma lua cheia de brilho – é-lhes aplicada uma camada de base em pó, qu...
Translated from RO to PT by Cristina Visan
Written in RO by Alexandru Potcoavă

Alguns minutos à deriva

O dia começou mais cedo do que tinha pensado. Tinha posto o alarme para tocar às 5.56 por várias razões. Queria ter tempo para a meditação matinal e também, para poder aguardar trinta minutos que o comprimido que melhora as funções da tiroide fizesse efeito antes do café, e depois, começar uma série de exercícios que combinam o queimar das gorduras com a tonificação dos músculos, usando somente o próprio peso, sem esquecer, entretanto, de ligar o esquentador elétrico, porque o aquecimento da água leva umas quatro horas, o que me dá tempo de sobra para acabar também a sequência de ioga para ab...
Translated from RO to PT by Cristina Visan
Written in RO by Cristina Vremes
More in PT

Mudar de ideias

A Maixa recomenda-me que pronuncie todas as sílabas, sem me armar em londrina, que não me alongue muito no enquadramento teórico, que experimente o equipamento informático antes de começar a defesa, que seja humilde, que tome nota das perguntas e sugestões do júri e que os convide para almoçar num restaurante de menu fixo. A June opina que isso do menu é muito foleiro e sugere-me um refeitório na faculdade, uma citação de Weber, meio Lexatin ao pequeno-almoço e dar-me boleia até Gasteiz. Aceito a bibliografia e o transporte. Saímos de Bilbau com a minha mãe, a minha prima e o meu namorado co...
Translated from ES to PT by Miguel Martins
Written in ES by Aixa De la Cruz Regúlez

Amanhã

Deitada de costas, no conforto macio dos lençóis, com os olhos fixos num ponto invisível do tecto do quarto, Carlota tentava a custos regular a respiração que se mantinha alterada desde que o sonho ansioso que estava a ter a despertou. Já nem se lembrava do que realmente estava a sonhar, só se recordava da sensação desesperada que a obrigou a acordar. E, desde esse despertar abrupto a meio da noite, que ela tentava, de todas as maneiras que conhecia e se lembrava, baixar o ritmo cardíaco, até aquele momento sem sucesso. Desistiu, empurrou a coberta para trás e levantou-se da cama, sem antes o...
Written in PT by Patrícia Patriarca

Estação de tratamento

Vagueava defronte de um aglomerado de dormitórios do estaleiro, esfregando as suas mãos frias. Ao longe, dois corvos-marinhos cintilavam por cima do rio. Pouco depois, ela começou a olhar em todas as direções e a verificar a mensagem de texto que chegara ontem. “Olá Petra, ação ETAR amanhã às oito. Encontro frente à ponte junto do aglomerado. A.” Ela leu-o mais três vezes antes de a luz do visor se apagar. A antiga e a nova estação de tratamento que partilhavam os resíduos vindos de toda a cidade ficavam uma atrás da outra na ilha, tal como governadores do rio. Enquanto a mais antiga se ergui...
Translated from CZ to PT by Stepanka Lichtblau
Written in CZ by Anna Háblová

Notas sobre a vida de Frances Donnel

Prólogo Em 1945, Frances Donnell, escritora e conhecida criadora de aves, nasceu nos Estados Unidos. Em 1983, fingiu morrer de lúpus, doença que a afligia desde a sua juventude. Meses depois da sua tentativa, descobriu-se que tinha sido tudo um boato. Após uma pequena polémica, a que chegaremos no momento oportuno, Frances permaneceu no anonimato durante várias décadas. Já no século XXI, chegou a Espanha com a dureza da doença às costas, pois aquela não tinha deixado de crescer dentro de si. Costumava dizer que tinha abandonado o seu país no momento em que se tornara demasiado velha para sent...
Translated from ES to PT by Miguel Martins
Written in ES by Adriana Murad Konings

O arrendamento

Os meus dedos grossos de trabalho e velhice arranham-me as maçãs do rosto de cada vez que enxugo estas lágrimas que não me deixam. Estou convencida que o mar não tem fim e não sei de onde me nasce sempre mais uma aflição se já estou morta dentro de mim. Não haverá paz depois do fim de tudo? Nunca vi o mar, mas sei como se fazem os caminhos. À água ninguém lhe põe a mão, que ela vai sempre onde quer ir, mas eu sei arregueirá-la e tirar partido da sua teimosia, antes que me volte a fugir e vá lá para os confins encher os espaços do meu desconhecimento. Não medi ainda o tamanho do espanto de con...
Written in PT by Daniela Costa

O retrato

A casa tinha uma porta de carvalho e uma fachada imponente. Não havia nomes na campainha. David demorou um pouco a descer e eu fui olhando a rua à minha volta. Era calma e branca, não se comparava com o bairro ao pé do canal onde a Sam e eu morávamos. Eu oscilava entre o devaneio e a irritação, como me acontecia muitas vezes quando era confrontada com coisas que não me podia permitir. Ele abriu a porta e sorriu-me. Tinha a camisa aberta. Eu subi as escadas atrás dele e fui novamente envolvida pelo cheiro dele: nozes e terebintina. O atelier estava tão desarrumado como da outra vez, mas havia...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Hannah Roels