View Colofon
Original text "De evolutie van een kies" written in NL by Alma Mathijsen,
Other translations
Mentor

Arie Pos

Proofread

Paulo Capinha

Published in edition #2 2019-2023

A evolução de um dente do siso

Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Alma Mathijsen

Mais 47 noites


O assistente do dentista tira o gancho da minha boca.

– Está a ver isto? – pergunta quase com orgulho.

O gancho está coberto com uma camada de saliva acinzentada.

– Isto saiu da bolsa.

É uma palavra estranha para designar um buraco entre a gengiva e um dente do siso. Uma bolsa parece uma coisa grande, onde se pode guardar chaves, e talvez até gel para as mãos ou um telemóvel. Tudo o que está dentro da minha bolsa são restos de comida triturados com alguns meses.

O dentista aparece pouco depois e aponta para o meu maxilar no ecrã do computador. O dente do siso inferior do lado direito está deitado. As raízes estão espetadas para trás e a parte de cima pressiona o último molar.

– Porque é que está assim? – pergunto.

– Não sabemos – responde. – Às vezes os dentes do siso mexem-se. Daqui a três semanas tem de ser arrancado.

À noite não consigo adormecer. Só penso no dente que teve de se mexer. Deixou de estar à vontade dentro da gengiva. Nunca apareceu à superfície, sempre na escuridão. Talvez tenha sido isso. Um dente do siso também quer ver alguma coisa. Lembro-me do estafeta de refeições a quem faltava um dente. O seu riso aberto mostrou uma série de dentes brancos, com um buraco no meio. Gostava de saber onde estará o dente dele agora. Terá sido substituído por um dente novo?

Talvez devesse ir ao Google, é sempre boa ideia à meia-noite. Está lá explicado que a humanidade se encontra numa fase intermédia. O nosso maxilar está a ficar cada vez mais pequeno, porque desde a revolução industrial comemos cada vez mais comida processada, mas os dentes do siso ainda não chegaram a essa fase. Continuam tão grandes como há milhares de anos. Os dentes do siso não obedeceram à vontade da evolução. Não pararam de crescer na cartilagem mole onde já não havia lugar para eles. E lá aparecem, grandes e desajeitados, quando uma pessoa já está na iminência de se tornar adulta. Um bocado de dente de outra era.


Mais 27 noites


Estou sentada em frente dos cacifos dos médicos no hospital. Médicos de batas brancas passam por mim. Pergunto-me se não devia estar mais nervosa. Até aqui nunca precisei de tirar nada da minha boca. Enquanto estas ideias me ocorrem, bato os calcanhares um contra o outro. Abre-se uma porta, talvez seja a minha vez, um médico com a barba por fazer sai. Na mão tem uma pequena serra. Deixo-me cair para trás na cadeira. Na aula de trabalhos manuais na escola básica utilizávamos exatamente as mesmas serras. São perigosas. O Mário cortou a ponta do dedo com uma. Um acidente.

Talvez este médico ache graça a percorrer o hall de vez em quando com uma coisa destas na mão para assustar os novos pacientes. Ou talvez me operem mesmo com uma serra daquelas daqui a pouco. Abre-se outra porta.

– Pode entrar. O cirurgião-dentista vem já.

Com um gesto amplo, a assistente aponta para a cadeira. Coloca sobre a minha cabeça uma folha verde-clara, com uma abertura no meio para a minha boca. A luz da lâmpada atravessa a folha de plástico, tal como a sombra da assistente.

– Depois posso ficar com o dente? Não consigo olhar para a assistente.

– Sim, claro.

Já estou a imaginar o dente na minha mesa de cabeceira. Talvez lhe pegue de vez em quando. Quando não conseguir dormir passo os dedos pelas arestas agudas que estiveram tanto tempo escondidas e que agora finalmente vão poder assumir-se à luz do dia. Da mesma maneira que eu quero estar atenta e aguda. Ou um colar! Também posso mandar fazer um colar com ele.

– Picamos mais uma vez – diz o cirurgião-dentista.

Os meus pés enterram-se ainda mais fundo no estofo da cadeira. A agulha fria espeta-se novamente na gengiva. Sinto-a deslizar entre os meus nervos. Um sabor a ferro à mistura com cloro. A dor pulsa até ao cérebro, pequenos choques elétricos que sobem e descem.

A segunda anestesia funciona melhor, já não sinto nada, só ouço um imenso estalar que parece vir de todos os lados. Tudo demora muito tempo, quero que as sombras parem de se mexer por cima de mim. O dente esforçou- se muito para estar cá, as suas raízes penetraram profundamente na minha carne. Todo este remexer não pode ser bom sinal. Talvez alguém devesse ter morrido por causa de um dente do siso, penso, aí a evolução teria percebido o que estava em jogo. Assim, continuam a voltar sempre, porque são sempre arrancados com relativamente pouco esforço. Tenho de afastar este pensamento, talvez seja eu a pessoa que vai morrer por causa de um dente do siso.

De repente a assistente encosta uma coisa fria à minha bochecha.
Quando levanta a folha que me cobre a cara, o dentista já desapareceu. Devia sentir mais espaço no meu maxilar, mas tudo parece ainda mais atulhado.

– O dente foi esmagado – diz a assistente.

Eu próprio tenho de concluir que não poderei levá-lo para casa. O dente do siso está partido aos bocados em cima de uma folha de hospital verde-clara suja de sangue. A assistente amarrota tudo quando se apercebe de que estou a olhar para ele.

– Até à próxima – diz, sem levantar o olhar. Espero que não.


Mais 23 noites


O inchaço pode aumentar nos primeiros cinco dias. Leio pela centésima vez o impresso que me deram. Baixo o papel e olho para mim no espelho. Do lado direito há um inchaço do tamanho do meu punho e há derrames de veiazinhas que percorrem a minha bochecha como se fossem relâmpagos. Espalhou-se por todo o lado direito da minha face um hematoma que está amarelo nos bordos. Tenho o aspeto de alguém que foi severamente agredido.

Desde que o cirurgião me cortou o maxilar deixei de conseguir dormir.
Não consigo deitar-me sobre o lado direito. A dor é demasiado acutilante, como se alguém estivesse constantemente a tentar arrancar-me o dente. Já passou muito tempo, mas continuo a sentir a mesma sensação. Como se fosse a punição do dente, que me quer lembrar a cada momento o que lhe fiz. De três em três horas, tomo analgésicos. Primeiro dois paracetamóis, depois a dose de ibuprofeno mais forte que está à venda, para voltar de novo ao princípio. À noite não preciso de pôr o despertador porque não consigo dormir com as dores.


Mais 22 noites


Talvez eu tenha de ser mesmo o primeiro ser humano a ensinar à evolução que o dente do siso já não é desejado. Devo morrer para que o resto da humanidade seja resguardada de noites sem dormir e de bochechas azuis do tamanho dum montículo de toupeira. A dor é demasiado grande, demasiado presente, demasiado palpitante. O dente do siso que foi esfarelado e que está agora algures nos resíduos hospitalares, talvez numa lixeira, no meio de todos os outros dentes do siso esfarelados dos últimos dias.

São 4h03 e ligo para o posto clínico. Uma mulher com voz rouca atende.

– Na passada terça-feira foi-me arrancado um dente do siso e isto não está nada bem – digo com voz trémula.

A mulher não diz nada.

– Tenho tantas dores que não consigo dormir já há alguns dias… Está muito inchado, não consigo fazer nada.

Agora que admiti tudo, vêm-me as lágrimas. Quase não me lembro de ter chorado com dores. Talvez aquela vez que uma vespa me picou, quando me assustei tanto com a dor que só senti passado um bom bocado.

– Ó minha querida – diz ela – neste momento não está cá nenhum cirurgião-dentista, mas posso dar-te um analgésico até segunda-feira. E na segunda vens aqui ao serviço o mais cedo possível. Deixo a medicação aqui pronta para ti.

– Está bem.

– Não há razão para teres de aguentar tantas dores.

Vou dizendo que sim com a cabeça às palavras dela mas as lágrimas não param. Do lado de lá, ela ouve tudo.

– Podes vir cá?

As minhas calças de jogging abanam ao vento, está mais frio do que pensava. Fecho mais ainda o fecho éclair do meu casaco. Faz-me bem ter um objetivo. Ignoro as tonturas, a minha missão é ir ao hospital. Estão à minha espera quatro comprimidos de morfina. Trago uma camisola idiota que um amigo meu me deu. A camisola tem escrito I can’t fuck. Odeio camisolas com coisas escritas. Comecei a transpirar na bicicleta, uma vez no posto clínico abro o casaco, mas não sinto alívio.

– Não deve ser tão grave assim – diz o porteiro. Faz uma careta e eu fecho rapidamente o casaco até cima. Atrás do balcão da sala de espera está uma mulher que me dá os comprimidos sem me pedir identificação.

– Dorme bem – diz.
Só tomo o primeiro comprimido quando já estou deitada. Vejo Sex and the city para tentar não sentir conscientemente o efeito, mas sinto. Uma grande nuvem estende-se por cima de mim. Entro quase imediatamente numa embriaguez que me empurra para o sono. No sonho estou fechada numa caixa, empurro com toda a força a tampa, mas não consigo abri-la. Durmo oito horas seguidas. Às três da tarde acordo com uma dor ardente. A primeira coisa que faço, é olhar-me ao espelho. A minha bochecha cresceu mais ainda, só consigo abrir a boca uns milímetros. Não é só o dente do siso que é um resíduo de há centenas de anos, é todo o meu aspeto físico que está a ficar medieval. Mando selfies para os meus amigos que riem e pedem mais fotografias.

Todos os dentes do siso que ainda estão na minha boca podem lá ficar, digo a mim própria, talvez ainda um pouco pedrada da morfina. Vocês são seres inadaptados para os quais quero fazer espaço. Até alongava a mandíbula. Ainda não sei como. Um amigo meu comprou uma vez um alicate porque não parava de perder as chaves da bicicleta. Talvez me servisse. A evolução só quer aprender com crueldades. Não com um par de pílulas de morfina e um cirurgião-dentista brutamontes.


Mais 21 noites


Às oito e meia da manhã posso ir ao posto clínico. O meu médico está de folga. Um outro homem pressiona fortemente a minha bochecha, vêm-me novamente lágrimas aos olhos e desta vez também um líquido espesso à boca. O assistente põe-me uma bacia de cartão por baixo da boca para onde tenho de cuspir. Continua a carregar na minha bochecha com os polegares e, apesar do último comprimido de morfina, sinto uma dor fulminante. Porcaria acastanhada continua a sair da minha boca. Nem me atrevo a olhar para a bacia que está mais pesada agora. Munida de uma prescrição de antibióticos e de instruções sobre como eu própria posso eliminar o pus da minha bochecha, saio do local.
Nunca antes estive tão instável nas minhas pernas. Não tinha tomado o pequeno-almoço. Não consegue entrar pela frincha que a minha boca agora é. Na farmácia desmaio.

O dente do siso sente a minha falta. Não é nisso que penso enquanto estou deitada no chão. Quem desmaia, não pensa em nada, não está lá nada.
Quando volto a mim, não faço ideia de quanto tempo estive fora de mim. Podem ter sido alguns segundos, horas, talvez até meses. Desmaiar é o que imagino que acontece quando se morre. Ao acordar vejo umas cinco cabeças a planar por cima de mim. Todas com o mesmo ar preocupado.

O dente do siso sente a minha falta, penso quando estou finalmente deitada na minha própria cama. Engoli a primeira pílula de antibiótico. De meia em meia hora empurro o pus para fora da bochecha. O líquido escorre entre o molar e a gengiva para dentro da boca. Tão rápido quanto possível cuspo-o para dentro de um copo em cima da mesa de cabeceira. As horas passam lentamente. No Instagram as pessoas fazem um passeio a pé pela cidade passando por cinco restaurantes, fazem fotografias de comida em pratos de cartão. Pratos de cartão feitos do mesmo material que a bacia para cuspir do hospital. Outros tiram selfies com os seus bebés, às vezes o bebé agarra uma garrafa de cerveja. Quero ver tudo.

– Estás completamente atualizada – diz o Instagram.

No Twitter está toda a gente indignada. Ou não dizem nada, mas fazem um retweet e põem o comentário “Vejam isto!”


Mais 7 noites


Quando pergunto a um amigo quando é que a dor vai parar, ele diz que nem me vou aperceber, que um dia vou sair de casa e que, de repente, vou perceber que a dor desapareceu. Que já se passaram horas sem sentir dor sem eu reparar. É a isso que me agarro. Voltei a comer batatas fritas, embora tenha sempre medo que alguma coisa fique presa no buraco no fundo da boca. Depois de cada refeição, incluindo os snacks, agarro numa seringa, meto-a na boca, aponto a agulha para o sítio onde estava o dente de siso e lavo-o com um jato de água. Foi o que o assistente disse para eu fazer.


O dia depois da última noite


O amigo tinha razão. Desapareceu a dor, de repente deixei de sentir a sua presença. Já não consigo enfiar a agulha dentro do buraco. A gengiva fechou- se. No espelho vejo como se formou um rebordo cor-de-rosa suave e saudável. Foi colocada uma lápide sobre o sítio onde o dente do siso esteve. Um resíduo do paleolítico que eu teria preferido carregar comigo.

More by Lut Caenen

Uma vida a meio

Casablanca, 1954 Ela filtra o ruído das crianças a brincar lá fora e todos os dias guarda alguns sons aos quais se agarra obstinadamente. Colhe os poucos sons que penetram através das paredes. Passados alguns meses já conhece os vizinhos todos, embora nunca saia do quarto. Sabe que estão sempre a aparecer credores em casa dos vizinhos do lado, mas não adianta porque o homem não quer pagar. «Nem que me arranquem primeiro os órgãos do corpo e me matem depois» é o que o ouve dizer à mulher depois de os credores saírem. Quando ouve estas coisas tem a sensação de ser um elo na história e nos segre...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Aya Sabi

O retrato

A casa tinha uma porta de carvalho e uma fachada imponente. Não havia nomes na campainha. David demorou um pouco a descer e eu fui olhando a rua à minha volta. Era calma e branca, não se comparava com o bairro ao pé do canal onde a Sam e eu morávamos. Eu oscilava entre o devaneio e a irritação, como me acontecia muitas vezes quando era confrontada com coisas que não me podia permitir. Ele abriu a porta e sorriu-me. Tinha a camisa aberta. Eu subi as escadas atrás dele e fui novamente envolvida pelo cheiro dele: nozes e terebintina. O atelier estava tão desarrumado como da outra vez, mas havia...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Hannah Roels

Não quero ser um cão

Escrevo no teclado: «PÔR FIM A UM DESGOSTO DE AMOR». Vejo histórias de pessoas mas não quero histórias. Quero soluções, não quero compaixão. Isto tem de parar agora. «TRANSFORMAÇÃO», escrevo. O Google diz que há transformação na matemática e na genética. Opto pela segunda e com isto faço a minha primeira escolha. Estou farta deste corpo que já foi beijado por demasiadas pessoas, que talvez até esteja estragado. Tenho sido muito imprudente com ele, demasiado descomprometida, tem de acabar, tem de ser outro e melhor. Transformação genética. «Cura com sumos» aparece no ecrã. «Transforma-te numa v...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Alma Mathijsen

Em casa

O moinho, o caminho para o rio, o poço, os cavalos, as vacas e o trigo. Os baldes rachados cheios de tomates vermelho vivos, os boiões com as tampas bem apertadas cheios de legumes em pickles para o inverno. O estreito rio Severski Don, que alinha os campos todos, que empurra a Rússia contra a Ucrânia, que mantém o mapa unido, da mesma maneira que o meu bisavô Nikolaj cose os casacos com agulha e linha. O vento nas velas do moinho, as meninas do komsomol na praça central da aldeia. Dançam. De braço dado mantêm-se em equilíbrio inclinando o corpo para o lado e elevam-se do chão exatamente com a...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Lisa Weeda

Linguado

Flutuo com a cara dentro da água, sem me mexer. Não chamar a atenção, não gastar energia. Simplesmente boiar. Expirar lentamente, muito lentamente. Pequenas bolhas que me fazem cócegas nas faces quando sobem. No último momento o meu corpo vai estremecer, a barriga vai encolher-se para forçar a boca a abrir-se e, nesse momento, vou levantar resoluta e calmamente a cabeça para fora da água e engolir uma grande golfada de ar. Ninguém dirá «72 segundos!» É um talento que não nos leva a lado nenhum na vida. Quando muito, mais perto de nós próprios. Estou sentada no fundo da piscina e olho para ...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Nikki Dekker

Fios

A procura não começa de forma consciente. Sinto-me ligada a ela de uma forma perturbadora, inexplicável, e o seu desaparecimento deixa-me sozinha frente às minhas interrogações. Ao acordar pergunto-me onde dormirá e como vive e continuo a pensar nela, masturbando-me doce e suavemente entre os lençóis enquanto olho para as nuvens pela janela basculante. Quando passo pelas barracas de fruta no nosso bairro, vou tocando nas laranjas com as pontas dos dedos, até que encontro uma que me lembra a sua pele, uma com os poros perfeitos. Aterrei nas suas aulas de yoga devido às minhas constantes dores ...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Hannah Roels

Todas as pessoas se tornam irmãos

Quando vi o Andrei afastar-se, comecei a gostar dele. Vi a sua mochila preta a abarrotar que ele transportava como um escudo sobre as costas. A mochila estava tão cheia que se percebia logo que ele não estava a caminho de nada, que não ia a lado nenhum. Se tivesse ido para as montanhas assim, a mochila ia desequilibrá-lo, podia puxá-lo para trás, e lançá-lo no abismo. Os fechos éclair da mochila estavam velhos e parecia que iam rebentar a qualquer momento. Eu imaginava que a mochila ia abrir-se de repente, como um airbag, uma almofada de ar que começava a crescer, cada vez maior, e que se tran...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Yelena Schmitz

Está tudo bem

Ela leva a sua máquina de café consigo. Ela não sabe quem é. No entanto, sabe, sim, que é uma mulher com uma máquina de café expresso da marca De’Longhi Magnifica S ECAM20.110.B totalmente automática. Preta e cinzenta. Porque já não sabe mais nada, todos os pormenores são importantes. De manhã, assim que a máquina começa a moer os grãos de café com o seu ruído infernal, ela fica logo acordada – e os vizinhos também. Comprou a máquina em segunda mão no Coolblue e, durante quatro dias, passou as manhãs à espera dela, junto à janela. Ao mesmo tempo que fazia no site, de cinco em cinco minutos,...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Aya Sabi

Calcário

Ora, está visto que leva muito tempo para uma cabeça de chuveiro ficar entupida com calcário. Agora que me balanço aqui, com o tubo do chuveiro enrolado à volta do pescoço, meio pendurado no corredor, meio pendurado por cima das escadas, penso: se todos os meus amigos tivessem visto a casa de banho, tinham percebido logo. Se todos tivessem subido uma única vez ao andar de cima, como fez a Ema naquela tarde, teriam olhado para a cabeça de chuveiro, teriam aberto e fechado a torneira, teriam visto a divisória de vidro calcificada do duche, teriam reparado nos pelos da barba feita à pressa no lav...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Lisa Weeda

Empalhar um corpo

Debaixo da nossa pele há mundos inteiros. Se é que se pode confiar nas ilustrações. Às vezes não tenho a certeza. Agarro na minha clavícula. Fica toda espetada para fora quando encolho os ombros. Faço isso muitas vezes. A clavícula é um ossinho sólido mas fino. Podia parti-lo. Talvez não com as mãos nuas, mas se lhe desse uma pancada com um objeto pesado, com aquela estátua de pedra maciça, por exemplo... Aí era de certeza. Não é preciso muito para acabar com tudo. Basta engasgarmo-nos uma vez e já está. Para onde é que vão os bocados de comida que entram no canal errado? Além das amígdalas pe...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Nikki Dekker
More in PT

O retrato

A casa tinha uma porta de carvalho e uma fachada imponente. Não havia nomes na campainha. David demorou um pouco a descer e eu fui olhando a rua à minha volta. Era calma e branca, não se comparava com o bairro ao pé do canal onde a Sam e eu morávamos. Eu oscilava entre o devaneio e a irritação, como me acontecia muitas vezes quando era confrontada com coisas que não me podia permitir. Ele abriu a porta e sorriu-me. Tinha a camisa aberta. Eu subi as escadas atrás dele e fui novamente envolvida pelo cheiro dele: nozes e terebintina. O atelier estava tão desarrumado como da outra vez, mas havia...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Hannah Roels

Em casa

O moinho, o caminho para o rio, o poço, os cavalos, as vacas e o trigo. Os baldes rachados cheios de tomates vermelho vivos, os boiões com as tampas bem apertadas cheios de legumes em pickles para o inverno. O estreito rio Severski Don, que alinha os campos todos, que empurra a Rússia contra a Ucrânia, que mantém o mapa unido, da mesma maneira que o meu bisavô Nikolaj cose os casacos com agulha e linha. O vento nas velas do moinho, as meninas do komsomol na praça central da aldeia. Dançam. De braço dado mantêm-se em equilíbrio inclinando o corpo para o lado e elevam-se do chão exatamente com a...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Lisa Weeda

Clarões

Numa coletânea de ensaios intitulada O Zen e a Arte da Escrita, Ray Bradbury escreve que, dos vinte e quatro aos trinta e seis anos, passou o tempo a anotar listas de substantivos. A lista dizia mais ou menos assim: O LAGO. A NOITE. OS GRILOS. A RAVINA. O SÓTÃO. O RÉS DO CHÃO. O ALÇAPÃO. A CRIANÇA. A MULTIDÃO. O COMBOIO NOTURNO. A SIRENE DOS NEVOEIROS. A FOICE. O CARNAVAL. O CARROSSEL. O ANÃO. O LABIRINTO DE ESPELHOS. O ESQUELETO. Ultimamente, aconteceu-me uma coisa semelhante. Vivi numa família que me proporcionou uma boa educação e uma boa forma de estar no mundo, mas ultimamente tenho pe...
Translated from IT to PT by Vasco Gato
Written in IT by Sara Micello

Os Pandas de Ueno

Desde que as crianças nasceram, ou talvez desde que eu me inscrevera nas redes sociais, ou ainda desde que o trabalho me obrigava a comunicar de forma clara e atrevida, a fazer no fundo referência a coisas conhecidas, em vez de as inventar, dividia o meu tempo em tempo verdadeiro, ou seja, aquele que podia relatar a mim mesma na minha língua verdadeira, e tempo falso, ou aquele em que tinha de falar por categorias, segundo códigos ou por emulação de atitudes. Lia nos romances acerca de homens tenazes e voluntariosos que se levantavam às quatro da manhã, tomavam duches frios, e às seis já esta...
Translated from IT to PT by Vasco Gato
Written in IT by Arianna Giorgia Bonazzi

Aleksandra Lipczak Themed Text (PT)

Dia 28 de novembro de 2020, um mês depois do dia em que o politizado Tribunal Constitucional tornou o aborto ilegal na Polónia. Magda Dropek, uma das organizadoras dos protestos feministas em Cracóvia, escreveu no Facebook: “Durante estes anos em que apoiei as ações nas ruas tive a certeza de uma coisa: que não consigo gritar e clamar, que sou demasiado caótica para falar de maneira rápida e lógica, por isso, sempre me senti bem em transferir o que penso para o papel ou para o ecrã, escrever, comunicar sem usar a voz. Ainda por cima, a minha voz, detesto-a. Nas últimas semanas gritei como nun...
Translated from PL to PT by Katarzyna Ulma Lechner
Written in PL by Aleksandra Lipczak

Mudar de ideias

A Maixa recomenda-me que pronuncie todas as sílabas, sem me armar em londrina, que não me alongue muito no enquadramento teórico, que experimente o equipamento informático antes de começar a defesa, que seja humilde, que tome nota das perguntas e sugestões do júri e que os convide para almoçar num restaurante de menu fixo. A June opina que isso do menu é muito foleiro e sugere-me um refeitório na faculdade, uma citação de Weber, meio Lexatin ao pequeno-almoço e dar-me boleia até Gasteiz. Aceito a bibliografia e o transporte. Saímos de Bilbau com a minha mãe, a minha prima e o meu namorado co...
Translated from ES to PT by Miguel Martins
Written in ES by Aixa De la Cruz Regúlez