View Colofon
Original text "Los seres vivos" written in ES by Mariana Torres,
Other translations
Published in edition #1 2017-2019

Os Seres Vivos

Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Mariana Torres

Capítulo 1

A mamã morreu sozinha e devagar. A causa da morte, dizem os médicos,  foi uma intoxicação. A mamã intoxicada. Grande estupidez. Não discuti  com os médicos, limitei-me a assinar os papéis e a tratar do enterro. Se havia  algo que a minha mãe conhecia bem era a sua farmácia. Sempre foi exata  com as doses. Não se enganava. À menina, por enquanto, contamos-lhe a  versão oficial, a da intoxicação. Um dia contar-lhe-ei eu mesma que a avó  dela se suicidou.  
A menina esteve presente em todos os momentos, depois de lhe dar  a notícia levámo-la ao tanatório. Esteve colada às minhas pernas durante  todo o funeral e na missa que Raul se empenhou a organizar. Em cada  momento explicámos-lhe o que estava a acontecer com pormenor, para  que pudesse compreender que a avó tinha morrido. Aceitá-lo. Raul propôs  deixá-la com a mãe naqueles dias, mas eu sei bem que o melhor nestes casos  é ver tudo. Para assimilar as mortes é preciso vê-las, é preciso tocá-las. Se  alguém morre e se se faz como se nada tivesse acontecido, formam-se uns  buracos negros que se arrastam toda a vida e pesam como lajes. Com o  tempo vai-se acumulando sujidade por dentro, e chega um momento em  que é impossível limpá-los. São como o apartamento da mamã. Não sei se  poderei esvaziá-lo e limpá-lo em apenas sete dias. Raul ofereceu-se para me  ajudar. Mas é algo que tenho de fazer só eu, com as minhas duas mãos. 
Vendemos o apartamento tão depressa que não tive tempo de me  habituar à ideia do que estava a acontecer. A única coisa que gostaria de  conservar comigo é o piano. Quero levar o piano e, quando muito, os potes  da farmácia da mamã. Sempre gostei daqueles potes. Recordo que, desde  pequena, lia as inscrições em voz alta, que soavam como música nos meus  ouvidos ao pronunciá-las todas seguidas. Borato de sódio. Cremor de  tártaro. Bálsamo verde. Como um esconjuro. Ainda gosto de ler essas  palavras, pintadas a negro sobre a porcelana dos potes, com uma caligrafia  de professor, tocar o final das letras curvas arredondando-se para fora.  
Não levarei todos os potes porque ocupam uma parede inteira.  Agora estão vazios. A primeira coisa que fiz depois de encontrar a mamã  morta na cama dela foi esvaziar a farmácia. A mamã automedicou-se toda a  vida com as suas ervas. Para as receitas usava os potes da prateleira superior.  Esvaziou o resto das prateleiras quando fiquei grávida. Porque a mamã, se  fez mudanças na casa, foi para que Sara não corresse perigo. Instalou fechos  para crianças nas gavetas, fixou as estantes à parede e pôs cortiça nas  esquinas das mesas baixas. Sem dúvida, a farmácia será a única coisa que  conservarei da mamã. Juntamente com o piano. Pô-los-ei juntos na saleta  da minha casa. Creio que caberiam até cinco potes juntos, um junto ao  outro sobre a tampa fechada do piano. Sabugueiro-branco. Beladona.  Folhas de buxo.  
15 
mariana torres 
Antes de chegar à sala, tenho de passar pelo resto do apartamento da  mamã. Devo seguir uma ordem lógica para poder fazê-lo bem. Como ela  teria gostado. Começar pela cozinha, que fica no fim do corredor, percorrer  desde lá — o ponto zero — as divisões da casa pela ordem inversa, da  última à primeira, esvaziando-as das coisas acumuladas, como se tivesse  passado por elas uma praga de gafanhotos. E chegar à sala. Deixar o quarto  que era de Adrián para o final. Como ela teria feito.  
Quando entrei no apartamento no dia da morte da mamã, todas as  janelas estavam abertas. São sete divisões com duas, três ou quatro janelas  cada uma. A sala, em lugar de janelas em sentido estrito, tem portas  envidraçadas que se abrem para uma pequena varanda, protegidas por  portadas de madeira. Essa é a parte do apartamento virada para a rua.  Quando as portas das varandas estão abertas de par em par, as portadas  batem nos vidros suavemente. Quando entrei no apartamento da mamã o  conjunto movia-se compassado com a brisa, como se estivesse vivo e  estivesse a gritar. Quando entrei, a corrente de ar e o frio faziam parte da  casa. A mamã estava na cama e parecia adormecida. Mas eu soube que  tinha morrido antes de vê-la, assim que cheguei. Soube-o ao sentir como  me empurrava o vento ao abrir a porta com o meu molho de chaves. Tive  de empurrar com todas as minhas forças.  
Porque a mamã, para que a sua alma fosse diretamente para o céu,  tinha tido a precaução de morrer com todas as janelas abertas. 
Em apenas três horas tinha metade da cozinha metida em caixas. Não me  preocupei em embalar com cuidado porque vai tudo para o lixo. Se se  partir uma chávena não há problema. O apartamento da mamã tem sete  divisões e todas elas estão cheias de objetos. A mamã tinha a tendência para  a acumulação compulsiva. Guardava tudo em casa, como se as coisas a  protegessem. E, embora no seu caos fosse organizada, nos últimos meses  deu-lhe para guardar coisas nos lugares mais estrambólicos. O dinheiro  dentro de chaleiras, as agulhas de tricô entre os talheres da cozinha.  
Com o que eu não contava era encontrar aqui, na despensa da  cozinha, mesmo em cima das cestas repletas de maçãs e laranjas, os meus  sapatos de verniz. Tive de subir a um banquinho para os alcançar. Estão  intactos, brilhantes como se os tivessem polido no dia anterior. E os  atacadores, duros como pedras, estão atados com um laço perfeito.  
Eram os meus sapatos dos domingos, os que usava para visitar os  túmulos do pai e de Adrián. Usei-os pela primeira vez no enterro do pai,  dessa tarde recordo que passei horas a polir os sapatos com um pano, para  que brilhassem. E que, de cada vez que os usava, Adrián pisava-mos para  manchá-los de novo. Recordo também que o avô alemão se aproximou de  nós e me disse que eram uns sapatos perfeitos. E que conseguiu, por uma espécie de feitiço que exercia em Adrián, que me deixasse sossegada. O avô  alemão era novo para nós. Falava um espanhol forçado, pronunciado às  pancadas, e esteve o tempo todo com o meu irmão, que o seguia como um  cãozinho obediente.  
Antes de voltar à Alemanha disse-me que o meu irmão estaria bem,  que ele se encarregaria de cuidar dele. Mas Adrián morreu pouco depois de  o pai morrer. Mandaram o seu corpo num caixão artesanal, fabricado  numa das oficinas do avô. E tivemos outro enterro, outro túmulo. Creio  que com isso começou o declínio da mamã. Não deixava de repetir que a  família do meu pai, de tanto fabricar caixões, estava amaldiçoada. E que  essa maldição era a culpada de tudo. E que Adrián estava melhor morto do  que a fabricar caixões e a maquilhar cadáveres. Quando dizia isto benzia-se  imediatamente.  
      No ano da morte do meu irmão, íamos todos os domingos ao  cemitério. A única coisa que recordo dessas excursões eram os sapatos  negros e o quão importante se tornou para mim mantê-los limpos. Se  conseguia que brilhassem o suficiente, os sapatos andavam sozinhos, eu  não tinha de fazer nenhum esforço ao caminhar. Recordo o ruído com eco  que faziam os saltos ao caminhar com os sapatos de verniz pelo caminho  asfaltado do cemitério. No cemitério era preferível fazer ruído — para que  os mortos soubessem onde estávamos a cada instante —, e caminhar  depressa, muito depressa, para que, nem por engano, nos detivéssemos  sobre um morto diferente do nosso. Recordo que sentia os dedos dos pés  apertados na ponta dos sapatos, sobretudo quando os domingos se  alongaram e começou a fazer calor. De toda a minha roupa preta, os  sapatos de verniz eram a única coisa de que eu gostava. A mamã, no ano da  morte de Adrián, obrigou-me a vestir-me de preto. Agora que tenho os  sapatos nas minhas mãos, parecem-me ridículos, completamente fora de  moda.  
E, além disso, cheiram a maçã.  
      Gostava de lhes dar brilho até conseguir que a minha cara se visse  refletida neles. Sapatos-espelho. Quando caminhávamos no cemitério, a  mamã não me deixava deter-me, por muito pó que levantássemos ao andar.  Quando queria parar para sacudir os sapatos, puxava-me pelo braço.  Tínhamos muita pressa embora ninguém estivesse à nossa espera em casa.  Os puxões pelo braço deixavam-me marcas vermelhas. A mamã levava  sempre um ramo de três flores. Ao caminhar levava o ramo virado para  baixo, com as três flores a olhar para o chão, a encherem-se de pó. Uma flor  era para o meu irmão, a outra para o papá.  
Nos atacadores, agora que lhes toco, notam-se os anos, estão rígidos, quase fossilizados, como se tivessem ficado muito tempo nessa mesma  posição. Tinha os pés tão pequenos quando os estreei que não serviam a Adrián, que na altura tinha os pés só um par de milímetros maiores que os  meus. No dia do enterro do pai tentou calçá-los, só para me chatear. Até que chegou o avô e levou-o. E a verdade é que, desde esse dia, nunca mais  me voltou a chatear. Penso nisto e sinto as mãos quentes, nasce-me como  que um impulso nas mãos, querem mover-se para me benzer, desenhar  com os dedos na minha testa o sinal da cruz, como a mãe fazia. Mas  sacudo-as com força, distraio-as, afasto-o de mim.  
      Os atacadores, estendidos agora na minha mão, parecem duas  cobras finíssimas. Enrolo-os sobre si mesmos, meto-os dentro dos sapatos,  em cada sapato o seu, e empurro a bola de atacadores até ao fundo,  pressiono-os na zona da ponta. De fora já não se veem. Agora são só sapatos  sem atacadores. Inofensivos. 
      Quando vou atirar os sapatos para a mesma caixa para onde atiro o  resto, mudo de ideias. Deixo-os no chão para montar uma caixa nova. Para  que a caixa nova aguente melhor, uso o dobro de fita de embalar. Pego nos  sapatos de verniz — que, de tanto lhes tocar com as minhas mãos sujas,  ficaram manchados de pó — e meto-os dentro desta caixa vazia. Não os limpo. Separo esta caixa do resto e ponho-lhe um rótulo com um  marcador. Escrevo em letras vermelhas e maiúsculas: mamã.

More by Matias Gomes

Comunhão

— Será aqui?  — No papel está esta morada, não te diz alguma coisa?  — Eu lembro-me disto como um descampado. Teria sido mais fácil  com o nome do restaurante.  — Deu-to quando te ligou.  — Tem de ser aqui. Há muitos carros — respondi, pondo o sinal  intermitente, decidido a estacionar.  — Telefona à tua irmã e tiramos as dúvidas.  — Não o guardei porque pensava que não vínhamos. Nem sequer  conheço a criança.  — Tiveram a gentileza de nos convidar. Pode ser uma boa altura  para tu… Já sabes…  — Já sei. Já sei — interrompi-a, sem vontade de mais reprimendas. — Que horas são?  Luz tirou o conju...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Roberto Osa

Não Deem Comida aos Macacos

Luz estava há mais de meia hora à espera ao sol. De vez em quando,  percorria o passeio de um extremo a outro para desentorpecer as pernas e  aliviar o peso da barriga. Os seus olhos moviam-se com rapidez entre os  carros que circulavam pela avenida, especialmente quando se ouvia uma  aceleradela. Mas nada.        Decidiu refugiar-se do calor debaixo do beiral do edifício. Foi  então quando, de trás de um autocarro, apareceu ziguezagueando o  pequeno carro vermelho. Luz viu como Jaime travava bruscamente e se  punha a tocar a buzina repetidas vezes, como se estivesse há muito tempo  à sua espe...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Roberto Osa

Torcidos

Naquela noite chamava-me, e não parecia que fosse parar. — Mamã. Mamã!  Dizia-o assim, oferecendo-o a mim e ao quarto enquanto se encolhia  numa escuridão de cera, cheia de brinquedos (a sua única propriedade).  Voltou a gritar-mo, com muito mais força, e então afastei o olhar e acariciei  o copo de uísque, mesmo debaixo da base, até que a humidade passou para  a ponta do dedo.  A palavra estava bem cosida ao seu cérebro desde bebé.  Fiquei muito quieta enquanto observava a forma brilhante e obsti nada da gota. Não era um crime deixar que aprendesse a sentir frio, ou  como tragá-lo. Imaginava ...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Matías Candeira

Hidra

— Nada como a nossa casa — diz ele e, um a um, tira os anéis. Ivanka caminha até ao centro da cabina e fica parada. Ainda esperará um  pouco. Observa-o a mover-se junto à cama, mais rápido, para que a luz ver melha suavize a sua corpulência e a sua respiração se deixe ir rumo ao som  do oceano. Aliás, já orquestrou a maneira minuciosa de ir examinando o  quarto até criar pequenas ilhas de si mesmo. Descalçou-se rapidamente. O  casaco cai mole sobre o bengaleiro. Os botões de punho dourados e o laço  vão para a mesinha de cabeceira. Que atencioso. Estas gentilezas rodei am-na.  — Que alívio liv...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Matías Candeira

Árvore Monstro Menino Árvore

Ainda não sabemos como Óscar comeu a semente, nem descobrimos de  onde a tirou. Temos ainda menos respostas para percebermos como pôde a  árvore crescer-lhe por dentro, germinar a semente sem qualquer  impedimento, disse o médico, na boca do seu estômago, regada somente  pelos sucos biliares do menino. É que aos sete anos, também nos disse o médico, os estômagos funcionam muito bem. O corpo do nosso Óscar —  ainda era o nosso Óscar então — permitiu que a árvore crescesse, que as  raízes se estendessem pelos intestinos e que o tronco se fosse distendendo  esguio, cerimonioso, ao longo do esófag...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Mariana Torres

Parêntesis

      Suponho que nem o que temos de mais fiável - os sentidos, isto é, o que vemos, ouvimos, aquilo de que nos apercebemos com o corpo - é fiável em situações como a morte de um pai, o nascimento de um filho ou estar prestes a  morrer atropelado. Agora, que já enterrámos o papá, e estou por fim sozinho com os meus pensamentos, constato que ontem, no tanatório, tal como há trinta anos atrás, o tempo parou.  Por uns segundos, sim. Mas aconteceu outra vez. E soube, imediatamente, que se tratava do mesmo fenómeno que vivi em criança.        Naquela noite também estava com o papá.        Aconteceu...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Mariana Torres
More in PT

O zumbido

No comboio, na última parte da viagem, tinha visto pela janela pegajosa as bordas do céu. Levantou-se para ver também do outro lado da carruagem e aproximou-se do homem adormecido com a cara escondida atrás do cortinado e com a mão direita firmemente pousada na pequena mala de viagem, que estava no assento ao lado. Sim, da sua janela via-se o mesmo. Um cobertor compacto, azul índigo, num plano paralelo ao campo extenso, cheio de molhos secos. E na sua orla, um azul aberto e claro, como um mar afastado, suspenso entre o céu e a terra. Por cima da camada índigo, estava sol. Quando se levantou,...
Translated from RO to PT by Cristina Visan
Written in RO by Lavinia Braniște

A Alameda do Amanhecer

Cada homem goza de direitos, porém estes direitos são divinos, e não pode  ser de outro modo, numa última frase, não é obrigatório que esta frase seja  longa nem semelhante a um bilhete de despedida, o que conta é que seja  verdadeira, com uma verdade que a preencha, mesmo que seja a última,  porque a verdade tem o hábito de ser caprichosa, o que não significa que  não exista, existe seguramente e deve ser revelada, mas não num conto, o  conto contém a sua verdade intrínseca, não a mesma da verdade verdadeira  nem menos, mas esta frase é minha por direito para uma história e segui-a  até ao fi...
Translated from RO to PT by Simion Doru Cristea
Written in RO by Andrei Crăciun

Comunhão

— Será aqui?  — No papel está esta morada, não te diz alguma coisa?  — Eu lembro-me disto como um descampado. Teria sido mais fácil  com o nome do restaurante.  — Deu-to quando te ligou.  — Tem de ser aqui. Há muitos carros — respondi, pondo o sinal  intermitente, decidido a estacionar.  — Telefona à tua irmã e tiramos as dúvidas.  — Não o guardei porque pensava que não vínhamos. Nem sequer  conheço a criança.  — Tiveram a gentileza de nos convidar. Pode ser uma boa altura  para tu… Já sabes…  — Já sei. Já sei — interrompi-a, sem vontade de mais reprimendas. — Que horas são?  Luz tirou o conju...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Roberto Osa

Portasar Nenhum Instante

Lucas corre tão lesto ali que as novas imagens não chegam a substituir as  mais antigas em tempo útil. O vento sopra silenciosa e eficazmente, mínimas fricções. Os pomares estão rodeados pela floresta e nela, através  do procedimento do caminhar, Lucas deparou-se com uma tília muito alta,  folhas esbranquiçadas por trás, com um enorme buraco na base. Dentro havia areia seca e uma cama onde se pode dormir quando chove e uma taça.  Ali nunca lhe faltavam números para adicionar, multiplicar e dividir,  finalmente podia recuperar os números originais do resultado e fazer outra  coisa com eles como...
Translated from RO to PT by Simion Doru Cristea
Written in RO by Cătălin Pavel

Sónia levanta a mão

Por estes lados, as pessoas são muito desconfiadas. Mas não se sabe se noutros sítios a iriam receber de braços abertos. As pessoas do lado dele. Os do outro grupo. Não conhece, no círculo dela, casais das gerações anteriores, em que os dois sejam amigos, e não inimigos, mesmo que fiquem juntos até à velhice. Algures no mundo talvez existam os que ainda ficam amigos a vida toda e para além dela, mas são poucos, extremamente sortudos e bem escondidos aos olhos dos outros, de tal forma, que, olhando à tua volta, tu, jovem, possas estar quase convencido de que quem está ao teu lado chegará a dest...
Translated from RO to PT by Cristina Visan
Written in RO by Lavinia Braniște

Calcário

Ora, está visto que leva muito tempo para uma cabeça de chuveiro ficar entupida com calcário. Agora que me balanço aqui, com o tubo do chuveiro enrolado à volta do pescoço, meio pendurado no corredor, meio pendurado por cima das escadas, penso: se todos os meus amigos tivessem visto a casa de banho, tinham percebido logo. Se todos tivessem subido uma única vez ao andar de cima, como fez a Ema naquela tarde, teriam olhado para a cabeça de chuveiro, teriam aberto e fechado a torneira, teriam visto a divisória de vidro calcificada do duche, teriam reparado nos pelos da barba feita à pressa no lav...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Lisa Weeda