View Colofon
Original text "No den comida a los monos" written in ES by Roberto Osa,
Other translations
Published in edition #1 2017-2019

Não Deem Comida aos Macacos

Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Roberto Osa

Luz estava há mais de meia hora à espera ao sol. De vez em quando,  percorria o passeio de um extremo a outro para desentorpecer as pernas e  aliviar o peso da barriga. Os seus olhos moviam-se com rapidez entre os  carros que circulavam pela avenida, especialmente quando se ouvia uma  aceleradela. Mas nada. 
      Decidiu refugiar-se do calor debaixo do beiral do edifício. Foi  então quando, de trás de um autocarro, apareceu ziguezagueando o  pequeno carro vermelho. Luz viu como Jaime travava bruscamente e se  punha a tocar a buzina repetidas vezes, como se estivesse há muito tempo  à sua espera. Ela aguentou um pouco mais à sombra. 
A buzina continuava a ouvir-se, por isso Luz atravessou o passeio e  entrou para o carro antes que o chefe assomasse à janela perguntando  quem era o idiota que tocava a buzina sem parar. 
— Feliz aniversário — disse Jaime. 
— Arranca, estamos em segunda fila. 
As costas de Luz bateram contra o assento quando Jaime levantou  o pé da embraiagem e acelerou. 
O carro atravessava uma rotunda atrás de outra enquanto eles se  mantinham em silêncio. 
Já nos arredores, Luz disse: 
— Não vamos a casa? 
Jaime esboçou uma expressão triunfal. 
— Espreita debaixo do teu banco. 
Com muito esforço, Luz dobrou-se sobre a barriga para alcançar a  embalagem que Jaime tinha deixado ali. Era uma caixa do tamanho de um  livro, embrulhada em papel de presente verde. 
Ao retirar o selo, Luz leu em voz alta: 
— «Vive a experiência». 
— E isso é o que vamos fazer. 
— Agora? 
— Claro. O aniversário é hoje, e então… Queria compensar-te de  alguma maneira. 
— Compensar-me. 
— Sim. — Jaime tentava dar algum tempo ao seu cérebro. — Bom.  Pelo que se passou estes dias.  
— Estou a ver. 
Tinham saído da cidade e minutos depois tomaram uma estrada  secundária ladeada por oliveiras. Luz ligou o rádio, que preencheu o  silêncio durante mais uns poucos quilómetros. 
Passado um bocado, Luz voltou a falar: 
— E onde vamos viver a experiência, pode saber-se? 
— Tu gostas de animais.
— Adoro. 
— Bem, então vai ser um sucesso, já vais ver. 
— São três da tarde e não comi. 
Jaime esticou o braço para trás do seu banco e apanhou um saco de  plástico que pôs sobre as pernas de Luz. Ela olhou para o interior: uma  garrafa de água, uma sandes vegetariana, várias barras de chocolate, um  pacote de bolachas e dois refrigerantes. 
— Agora sim, estou impressionada. Tirou o plástico da sandes e  começou a comê-la. 
Luz terminava a sandes quando o carro parou em frente a um  grande arco onde dizia: «Safari: a vida selvagem muito perto de sua casa.» Na entrada, um tipo vestido de explorador deu-lhes uns folhetos e  esteve a explicar-lhes as regras do parque: podem fazer o percurso com o  vosso próprio carro, mas nada de saírem, é absolutamente proibido sair do  carro; pode-se tirar fotos mas sem baixar o vidro; não se pode tocar a buzina  e deve-se respeitar a prioridade dos animais, que andam à solta pela  propriedade. É totalmente proibido dar-lhes comida: «Sobretudo os  macacos ficam muito chatos e podem tornar-se violentos», disse enquanto  indicava o caminho de pó onde começava o percurso. 
O carro movia-se devagar. Jaime ia agarrado ao volante, como se  temesse que a qualquer momento um rinoceronte os abalroasse.  Entretanto, Luz dava pequenos goles no refresco e percorria o deserto com  a vista. 
Durante alguns minutos o carro avançou entre o pó sem que  pudessem ver um único animal. 
— Olha! — disse Jaime travando o veículo bruscamente. 
Duas girafas passaram a trote diante deles, a terra tremeu debaixo  dos bancos do carro. 
— São maiores do que parecem na televisão. 
— Eu já tinha visto girafas — respondeu Luz. 
— Quando? 
— No jardim zoológico. Em pequena. 
Jaime esperou uns segundos. Depois, meteu a primeira e o carro  voltou a andar. 
Dentro de uma vedação havia um rinoceronte e, junto à cerca, uma  placa: «Kenny, rinoceronte branco. República do Congo». — Mas ele é cinzento — disse Jaime. 
— Branco é por causa da raça. Acho. 
Continuaram a avançar pelo caminho. 
Debaixo de um freixo, o leão dormitava alheio aos mirones. — Aquele é o mais rápido — disse Jaime. 
— A que é que te referes?
— Bom, já sabes, a história de ser o rei da selva e assim. 
— Não. Não sei. 
— Pois, é isso. A leoa vai caçar e tal e o leão deita-se à espera de que  lhe tragam a comida. 
— Estás a brincar? 
— Sempre foi assim. 
— Não posso acreditar no que estou a ouvir. 
— A sério, os documentários e as enciclopédias dizem-no sempre,  não é uma coisa minha. 
— Estás a superar-te. 
Jaime decidiu calar-se. Conduziu um bom bocado em silêncio. Passaram perto de um pequeno lago junto ao qual pastavam três  zebras. Luz inclinou-se e pôs a cara muito perto da janela. — Para. — Jaime travou devagar. O veículo ficou à sombra de umas  árvores enormes que ladeavam o caminho. Através dos troncos, Luz  continuava a admirar as zebras. 
— São muito bonitas. 
— Pois a macaca é feia como o caraças. 
— Que macaca? 
— Aquela. Está na árvore da direita, vês? 
Luz olhou para cima. Na árvore havia um macaco enorme de pelo  grisalho. 
— Como é que sabes que é macaca e não macaco? 
— Repara no volume que tem colado à barriga. É a cria. 
— Sim. Pode ser. 
— Mas que raio, são mesmo feios os babuínos. 
— Nem sequer sabes se são babuínos ou macacos ou sei lá o quê.  
— Claro que sei. É pelo pelo. 
A macaca fazia um gesto de tirar algo que a cria tinha entre as  orelhas. 
— Na savana abundam os babuínos. 
— Mas não estamos na savana. Além disso, já te viste ao espelho? — Vais-me comparar a mim com um babuíno? 
— A pobre macaca não tem culpa. 
— Por favor, Luz, não estragues tudo. 
— Eu não estrago nada. 
— Estava tudo a correr bem até teres começado… 
— Já viste isto? — Luz agarrava o ventre com as duas mãos, como se  lho mostrasse a ele pela primeira vez. 
Jaime desviou o olhar para fora do carro. 
— Não comeces — falou em voz baixa, quase a fugir à resposta. 

— Isto é teu também, para de evitar o tema. 
— Não o estou a evitar. Só que… 
— O quê? 
— Bem. Sei lá. 
— És um cobarde. 
— Muito bem. 
— Quero um pouco de compromisso da tua parte, vê lá se abres os  olhos em relação àquilo que nos espera dentro de três meses. — Que chata — disse para si, mas o suficientemente alto para  também ela o ter ouvido. 
      As zebras tinham desaparecido enquanto um grupo de macacos  começou a agrupar-se em redor do carro; subiam pelos troncos das árvores,  alguns farejavam perto das rodas. 
      Luz e Jaime ficaram a olhar para os babuínos, ouviam o afã das  unhas a arranhar a terra do chão. A macaca que tinha uma cria começou a  subir aos ramos mais altos, até que finalmente a perderam de vista. Jaime  olhou além do lago. Ouvia-se o coaxar das rãs. 
— Eu nunca disse que sim. 
Não podia encará-la, mas ao dizer aquelas palavras sentiu que o seu  sangue circulava com mais força. 
— Não se pode viver assim, Jaime. 
— Nunca. Nunca te disse que sim, que queria. 
— Julgavas que isto era como uma constipação? 
Jaime pôs as mãos no volante. O seu olhar estava agora no fundo do  caminho, perdido entre as árvores que pareciam juntar-se ao longe. — Não tens tomates. 
— Estás sempre com essa dos tomates. 
— Cobarde. Seu cobarde de merda. 
      Antes de Luz conseguir continuar, ouviu-se o estalar de um ramo, e  logo a seguir um macaco caiu sobre o capô. O corpo tinha batido na chapa  do veículo com tanta força que a parte central ficou afundada. Luz gritou.  E não tinha acabado de gritar quando o macaco se sentou sobre as patas  
traseiras. Tinha um sorriso trocista, não parava de lhes mostrar os dentes. Os babuínos que estavam em redor começaram a dispersar-se. Mas o  do capô continuava lá. 
— Porra do macaco. Quase tive um ataque cardíaco — disse Jaime  quando se recuperou do susto. — Espero que tenham seguro. Alguém tem  de pagar isto. 
      Luz apertava o saco da comida contra o ventre. Tirou uma barrinha  de chocolate e começou a comê-la com pequenas dentadas. O babuíno  olhava-a muito atento.

— Acho que tem fome. — Começou a procurar algo dentro do  saco. 
— Vá lá, Luz, deixa-te de disparates. 
— Estava aqui, ia jurar que já tinha visto uma… 
Jaime agitava os braços na direção do para-brisas do carro, tentando  assustar o macaco. 
— Aqui está. 
      Luz tirou um invólucro vermelho e alongado do saco. Aproximou-o  do nariz, como se pudesse cheirar o chocolate sem o desembrulhar, e  depois aproximou-o do para-brisas. O macaco dava pequenas pancadas  com o dedo sobre o para-brisas. 
— Um Twix? — perguntou Jaime. A cara do babuíno estava cada  vez mais perto do vidro. — Vais dar um Twix ao macaco? 
Jaime rodava a chave da ignição, mas a porta do passageiro tinha  começado a abrir-se um momento antes e Luz já estava fora do veículo. — Luz! 
Ela ignorou-o, só tinha olhos para o macaco, que tinha caminhado  sobre o capô e já estava muito perto de Luz, esticando o focinho para o  chocolate. 
— Entra imediatamente. Juro-te que me vou embora e deixo-te  aqui. 
O ruído do motor obrigava-o a falar mais alto.  
— Luz! 
      Ela estendeu o braço. Quase não teve tempo de esticá-lo totalmente,  quando o macaco já lhe tinha tirado o chocolate; de um salto pôs-se  novamente sobre a amolgadela e começou a rasgar o invólucro com os  dentes. Luz não ficou surpreendida com a destreza da criatura, que comia o  Twix, segurando o chocolate pela parte inferior, como se temesse sujar os  dedos. Mastigava tranquilo, olhando de vez em quando para Luz com os  seus olhinhos brilhantes, mas sem reparar demasiado nela, como se de  repente a mulher fizesse parte da paisagem. 
Jaime parou o motor e deslizou do seu banco para a porta do  passageiro para suplicar em voz muito baixa: 
— Entra no carro. Por favor. 
      O macaco tinha os dentes castanhos, lambia o invólucro, chupava os  dedos entre mordidelas. Parecia uma criança. Uma criança peluda que  saboreava o seu prémio por bom comportamento. 
Sobre as árvores além do lago, o céu começava a adquirir a cor  alaranjada do entardecer, e ouvia-se as rãs a coaxarem, cada vez mais perto,  enquanto o babuíno mastigava. 
Luz juntou as mãos sobre o ventre, sem desviar os olhos do animal. — Não — disse ela. — Ainda não. — Mas o chocolate já quase tinha  terminado.

More by Matias Gomes

Comunhão

— Será aqui?  — No papel está esta morada, não te diz alguma coisa?  — Eu lembro-me disto como um descampado. Teria sido mais fácil  com o nome do restaurante.  — Deu-to quando te ligou.  — Tem de ser aqui. Há muitos carros — respondi, pondo o sinal  intermitente, decidido a estacionar.  — Telefona à tua irmã e tiramos as dúvidas.  — Não o guardei porque pensava que não vínhamos. Nem sequer  conheço a criança.  — Tiveram a gentileza de nos convidar. Pode ser uma boa altura  para tu… Já sabes…  — Já sei. Já sei — interrompi-a, sem vontade de mais reprimendas. — Que horas são?  Luz tirou o conju...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Roberto Osa

Torcidos

Naquela noite chamava-me, e não parecia que fosse parar. — Mamã. Mamã!  Dizia-o assim, oferecendo-o a mim e ao quarto enquanto se encolhia  numa escuridão de cera, cheia de brinquedos (a sua única propriedade).  Voltou a gritar-mo, com muito mais força, e então afastei o olhar e acariciei  o copo de uísque, mesmo debaixo da base, até que a humidade passou para  a ponta do dedo.  A palavra estava bem cosida ao seu cérebro desde bebé.  Fiquei muito quieta enquanto observava a forma brilhante e obsti nada da gota. Não era um crime deixar que aprendesse a sentir frio, ou  como tragá-lo. Imaginava ...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Matías Candeira

Hidra

— Nada como a nossa casa — diz ele e, um a um, tira os anéis. Ivanka caminha até ao centro da cabina e fica parada. Ainda esperará um  pouco. Observa-o a mover-se junto à cama, mais rápido, para que a luz ver melha suavize a sua corpulência e a sua respiração se deixe ir rumo ao som  do oceano. Aliás, já orquestrou a maneira minuciosa de ir examinando o  quarto até criar pequenas ilhas de si mesmo. Descalçou-se rapidamente. O  casaco cai mole sobre o bengaleiro. Os botões de punho dourados e o laço  vão para a mesinha de cabeceira. Que atencioso. Estas gentilezas rodei am-na.  — Que alívio liv...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Matías Candeira

Árvore Monstro Menino Árvore

Ainda não sabemos como Óscar comeu a semente, nem descobrimos de  onde a tirou. Temos ainda menos respostas para percebermos como pôde a  árvore crescer-lhe por dentro, germinar a semente sem qualquer  impedimento, disse o médico, na boca do seu estômago, regada somente  pelos sucos biliares do menino. É que aos sete anos, também nos disse o médico, os estômagos funcionam muito bem. O corpo do nosso Óscar —  ainda era o nosso Óscar então — permitiu que a árvore crescesse, que as  raízes se estendessem pelos intestinos e que o tronco se fosse distendendo  esguio, cerimonioso, ao longo do esófag...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Mariana Torres

Os Seres Vivos

Capítulo 1 A mamã morreu sozinha e devagar. A causa da morte, dizem os médicos,  foi uma intoxicação. A mamã intoxicada. Grande estupidez. Não discuti  com os médicos, limitei-me a assinar os papéis e a tratar do enterro. Se havia  algo que a minha mãe conhecia bem era a sua farmácia. Sempre foi exata  com as doses. Não se enganava. À menina, por enquanto, contamos-lhe a  versão oficial, a da intoxicação. Um dia contar-lhe-ei eu mesma que a avó  dela se suicidou.   A menina esteve presente em todos os momentos, depois de lhe dar  a notícia levámo-la ao tanatório. Esteve colada às minhas perna...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Mariana Torres

Parêntesis

      Suponho que nem o que temos de mais fiável - os sentidos, isto é, o que vemos, ouvimos, aquilo de que nos apercebemos com o corpo - é fiável em situações como a morte de um pai, o nascimento de um filho ou estar prestes a  morrer atropelado. Agora, que já enterrámos o papá, e estou por fim sozinho com os meus pensamentos, constato que ontem, no tanatório, tal como há trinta anos atrás, o tempo parou.  Por uns segundos, sim. Mas aconteceu outra vez. E soube, imediatamente, que se tratava do mesmo fenómeno que vivi em criança.        Naquela noite também estava com o papá.        Aconteceu...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Mariana Torres
More in PT

Mesmo Que apenas Uma só Gota Possa Ser Vista

The white cracker who wrote the national anthem knew what he was doing. He set the world “free” to a note so high nobody can reach it. That was deliberate. Angels in America,   Tony Kushner O meu pai e eu íamos a caminho do aeroporto. Eu ia passar um mês aos  Estados Unidos e ele fazia questão de se despedir de mim lá.  Ia a Charleston, uma pequena cidade no litoral da Carolina do Sul.  O meu pai perguntou-me como é que a cidade era, e eu apercebi-me,  nessa altura, de que não tinha ido à procura de quaisquer imagens no  Google. A única coisa que sabia é que tinha havido um tiroteio na cave ...
Translated from NL to PT by Pedro Viegas
Written in NL by Rebekka de Wit

Os Seres Vivos

Capítulo 1 A mamã morreu sozinha e devagar. A causa da morte, dizem os médicos,  foi uma intoxicação. A mamã intoxicada. Grande estupidez. Não discuti  com os médicos, limitei-me a assinar os papéis e a tratar do enterro. Se havia  algo que a minha mãe conhecia bem era a sua farmácia. Sempre foi exata  com as doses. Não se enganava. À menina, por enquanto, contamos-lhe a  versão oficial, a da intoxicação. Um dia contar-lhe-ei eu mesma que a avó  dela se suicidou.   A menina esteve presente em todos os momentos, depois de lhe dar  a notícia levámo-la ao tanatório. Esteve colada às minhas perna...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Mariana Torres

O tempo é um circo

De madrugada, sonhou com um crime cometido sob uma amendoeira e quatro bilhetes de lotaria, todos sem prémio. Era domingo. No sonho, o jovem médico chorou e despertou com as bochechas húmidas, abraçado por uma tristeza púrpura. Come sem apetite, veste-se de luto e espera pelo telefonema que deveria confirmar quem morreu nessa noite. O seu avô nascera perto do início do século XX num mundo demasiado longínquo para que as pessoas tivessem mantido algumas fotografias dele. O pai do seu avô tinha falecido trinta anos antes do jovem médico nascer. Ele vinha de um tempo ainda mais antigo, quando os ...
Translated from RO to PT by Simion Doru Cristea
Written in RO by Andrei Crăciun

A evolução de um dente do siso

Mais 47 noites O assistente do dentista tira o gancho da minha boca. – Está a ver isto? – pergunta quase com orgulho. O gancho está coberto com uma camada de saliva acinzentada. – Isto saiu da bolsa. É uma palavra estranha para designar um buraco entre a gengiva e um dente do siso. Uma bolsa parece uma coisa grande, onde se pode guardar chaves, e talvez até gel para as mãos ou um telemóvel. Tudo o que está dentro da minha bolsa são restos de comida triturados com alguns meses. O dentista aparece pouco depois e aponta para o meu maxilar no ecrã do computador. O dente do siso inferior do ...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Alma Mathijsen

Francamente querida, tanto me faz

O Marek faz-me cair na cama e pelo seu rosto passa-se algo que combinado com o seu aperto, me faz perder completamente a orientação, como se a nossa cama fosse uma avalanche em que ele me afundou e eu esquecia onde é em cima e onde é em baixo. Tudo isto dura apenas um segundo, esse aperto e essa sua expressão, no momento seguinte saca-me da avalanche, e ainda que eu permaneça na posição horizontal, já me é perfeitamente claro onde é em cima e onde é em baixo. E só agora atinjo, mas mesmo assim apenas em contornos, agora me apercebo dessa ideia, que dispara pela minha cabeça como se alguém acen...
Translated from CZ to PT by Stepanka Lichtblau
Written in CZ by Lucie Faulerová

Jericó

Parte I – A Quinta [...] I [...] A quinta, como lhe chamavam, erguia-se solitária num planalto no cimo de uma colina baixa. Era uma casa rural com dois pisos, uma construção de madeira, retangular, estreita e comprida. Do janelão do piso superior, sentado na cadeira de balouço, no corredor, Jens observava o campo que se estendia para lá do rio. Os seus pequenos olhos pretos não paravam de se mexer, explorando o horizonte envolto na escuridão, atentos a qualquer pormenor suspeito. Elia e Natan estavam sentados no chão, ao seu lado, a brincar com carros em miniatura enferrujados. Ouvia-se ...
Translated from IT to PT by Vasco Gato
Written in IT by Fabrizio Allione