View Colofon
Translations
Published in edition #1 2017-2019

Os Meninos Escritores

Written in PT by José Gardeazabal

Quase tudo o que aconteceu nesse dia passa-se aqui. Estou com o indicador  apontado à cabeça. Muitos anos depois, enquanto levo o meu filho a  descobrir o gelo, ainda recordo todos os acontecimentos daquele único dia  como «o fuzilamento». 
Ninguém morreu. As pessoas eram perigosas, especialmente as  crianças pequenas, penduradas nas árvores. Os pés a balançar — e era da  língua no meio da boca que viriam os piores crimes.  
Ouvir dói, caminhar é um truque. Caminhemos.  
Mesmo os pequenos ditadores envelhecem. Os filhos coabitam a  terra com os pais, há milhões, talvez milhares de anos. Imaginem milhões!  Filhos de células e leões, células filhas de células, um fio de filhos a  continuar os pais, com a solidão de ventríloquos. As melhores matanças  são silenciosas, acontecem no tempo. Outra forma de o dizer: a morte  sujeita-se ao esquecimento. As famílias são disfarces, no fim morremos  todos. Os pequenos ditadores? Deixem-nos crescer. 
Sim, está quase tudo aqui mesmo, como era no princípio.  Chegáramos à casa amarela com o entusiasmo disfarçado que é próprio dos  grandes escritores. Não nos tornámos amigos. Uma razão? Não  desejávamos a amizade. Uma razão chega. Estávamos juntos, sob o mesmo  teto, pequenos dentro de uma mesma casa. Para sempre? 
— A minha mãe é professora de matemática, ela ensina matemática.  O meu pai é professor de matemática, ensina matemática. Eu não quero  ensinar matemática. 
Chegáramos para escrever e corrigir comportamentos. Um dos  pequenos desejava ser pintor, outro escalar montanhas, e um terceiro  gostava de mulheres. Muito. Isto passou-se antes do acontecimento.  Aquele menino gostava de mulheres como um homem gosta de mulheres,  como uma invenção de carne e osso, melhor que uma mãe. O menino lia  sobre mulheres, e via imagens de mulheres em revistas. O poder da  imprensa. 
— Eu gosto de liberdade — explicou-me, num dia em que não falou  de mulheres. 
— Tens a certeza? 
Aquele grupo de crianças alimentara-se da antiga vocação:  atormentar os pais. O mais interessante era que agora teriam de continuar  sem os pais. Arrebanhados para a literatura, o seu menor problema era a  orfandade. Sim, tecnicamente vários tinham pai, embora a definição de pai  fosse a daquele primeiro objeto de que não tinham gostado. O filho do  coronel, por exemplo, não tinha quem lhe escrevesse. Chegava agosto e  outubro, e nenhuma correspondência, até outubro perdera a maiúscula  que recordava uma revolução.

A minha história? É demasiado simples. Eu queria que as outras  pessoas gostassem de mim. Muito. Gente, bichos, árvores, a coisa  tornava-se mais perigosa todos os dias. Agarra os bichos para que te amem.  Derruba uma árvore para que, deitada, possa gostar de ti.  
As aulas de literatura eram assim: a literatura semearia em nós a  empatia cuidadosa dos matemáticos. Obrigavam-nos a escrever uma  história por semana e garantiam-nos que no fim do ano teríamos  cinquenta e duas histórias e uma dessas cinquenta e duas seria uma boa  história. A literatura era manual, como o tempo, e as histórias como países;  há-os felizes, há-os ilhas no pacífico, pequeninas, onde as mulheres vivem  nuas, só da cintura para cima. 
Se tínhamos inimigos? A página em branco. Eu pressentia milhares  de páginas inimigas, branco na neve. Amachucava as páginas e imaginava  um sentimento na neve. 
— O que é esta coisa branca? 
— É um sentimento. 
Os sentimentos são aos milhares e não os podemos matar todos.  Dizemos inimigo e todos pensam num inimigo diferente. É como dizer  cão, inimigo. Cada um pensa no seu cão e no fim há algo que nos une.  
Outra aula de literatura? Procurar o equilíbrio entre mostrar e  contar. As duas mãos no ar, uma mão para mostrar, a outra para contar,  encontra o equilíbrio suspenso, entre as duas mãos no ar. Mais literatura?  Ninguém precisa de deus para contar uma história, basta um pouco menos  que deus. Tenta a omnisciência na terceira pessoa: ela disse e ela pensou, ao  mesmo tempo. Disfarça-te de deus enquanto escreves. 
Cacat, o filho do coronel, contou a história do capuchinho  vermelho e ele era o lobo, o lenhador, o machado e os dentes do lobo. A sua  fome era terrível. Não escrevas com fome, aconselharam-nos. No exercício  de literatura americana, Cacat queria ser os dentes da baleia, claro, ou a  perna comida do capitão do navio. 
À mais bonita sala de estudo deram o nome de Weltliteratur. Estava  decorada ao estilo europeu oriental, os tetos brancos em baixo relevo e uma  luz pouca como um pôr do sol em Viena, Budapeste, Berlim. Havia ali  baratas. 
A princípio ninguém compreendeu todo o perigo das inclinações de  Cacat. Nem Aleaa, a vítima, nem eu. Sem me aperceber, todos acabaram  por desejar ser escritores, no pior sentido da palavra escritor. Aproximamo nos outra vez da omnisciência? Aquelas crianças queriam ser omniscientes  de faca na mão, e estavam à procura. Tomavam sempre a perspectiva da  faca, o ponto de vista da carne, escreviam com uma assustadora  insuficiência de alimentos. Tratava-se de uma escolha.

Cacat anunciou que ia tatuar-se a si mesmo, nas costas. Ia usar os  dentes afiados de um garfo. Não teve coragem, e no dia em que perdeu a  coragem para se magoar a si mesmo, Cacat descobriu a maneira de  atormentar Aleaa.  
— A tua mãe é muito bonita, a tua mãe é muito bonita. 
Às ordens de Cacat os meninos rodeavam Aleaa, as cabeças  levantadas como formigas cegas, e convenciam-no da beleza da sua própria  mãe. Um insulto, portanto. Aleaa chorava e várias vezes me afastei,  procurando em vão um novo significado para beleza materna. 
— A barriga da tua mãe — gritavam —, eu vi a barriga da tua mãe. — O cabelo. 
— Eu vi a mão. 
— Os dedos dos pés. 
— Os cotovelos e o rabo. 
— Especialmente o rabo. 
A palavra barriga soava a mentira. Aprendíamos literatura e  aprendíamos a mentir, mas mentir sem matar. Para alguns não matar era  uma desilusão. Havia o equivalente a sangue naquele cerco de formigas.  Barriga soava-me a palavra índia, recém-chegada das américas por vingança,  por troca com o sarampo e a varíola que lhes enviáramos havia séculos.  — Mostra-me o teu cotovelo! — ordenou Cacat. 
— Não mostro. 
Temos medo do nosso próprio cotovelo. Algo familiar e invisível.  Aleaa resistiu. Por fim, mostrou o cotovelo invisível. 
— Não mostro nada. 
A roda de meninos-formiga cantava. «Nós vimos o cotovelo da tua  mãe! Nós vimos…» Havia realismo mágico, especialmente realismo, neste  esforço de concentração em partes específicas do corpo. A realidade é da  melhor literatura. E porque escreviam, os meninos? Escreviam com o  estômago, o sangue dentro? Pela vida interior, pelos amigos, para serem amados? Escreviam como uma árvore dá maçãs, escreviam como uma  macieira?  
Um dia, um dos adultos veio interromper o massacre. «Pensam que  isto é Auschwitz? Isto não é Auschwitz, isto é uma democracia!» Cacat  não fazia ideia do que era Auschwitz, julgava que Auschwitz era uma  pessoa. Lembro-me de pensar: «Este não sabe o que é Auschwitz, pensa  que Auschwitz é uma pessoa.» Quem é Auschwitz? Como é que uma  pessoa não sabe que Auschwitz náo é uma pessoa? Como é que um ser  humano não conhece…? Seres humanos, conheçam Auschwitz!  
— Eu quero comer a democracia — resmungou Cacat, uma fome a  reconhecer uma ignorância.

O fim veio repentinamente, dois dias depois de eu pensar em  Auschwitz, quando Cacat, pendurado de uma árvore pelas pernas, de  cabeça para baixo, olhava o corpo de uma mulher numa revista aberta.  Daquela altura tremenda, a língua de Cacat, já fora da boca, estava pronta  para matar. E no entanto Cacat fazia silêncio, equilibrado e atento como  um coxo, e eram os meninos escritores, na sua roda de formigas no chão,  que cercavam uma última vez o pobre Aleaa com cânticos terríveis sobre a  beleza materna. 
— O Aleea tem uma mãe bonita, bonita, bonita! 
E depois compreendi. E depois vi. Na realidade vi e compreendi, por  esta imensa antiga ordem. Eu era como Homero, o irmão cego, e a mulher  na revista falava, inteira e nua, daquela maneira que ninguém tinha visto  uma mulher nua. Não há descrições físicas na Bíblia. Não de pessoas, não  de Deus. O que vi era cru e verdadeiro. Sem nenhuma certeza de que a mulher na revista era a mãe de Aleaa, percebi a voracidade dos meninos, a  sua excitação, a sua incapacidade perante uma mulher que anunciava uma  parte do futuro. A mulher era muito bonita. Usem os cinco sentidos, não  sejam só visuais, recomendam aos aprendizes de literatura. Do cimo  daquela árvore descia algo que imitava o cheiro e o tato, mas chegava ao  chão como imagem e promessa de um caos. Não havia caos, aquilo não era  um princípio. As coisas acabavam ali. 
Abri caminho. Aleea estava no centro, no chão, as costas tão nuas  como o corpo da sua pretensa mãe. Nas costas tinha uma pauta de música  de letras fininhas, feitas com um garfo pouco profundo. Eu vejo as costas, a  pele, e os cotovelos, especialmente os cotovelos.  
Alguma coisa acabava ali. Está a acontecer alguma coisa? 
A queda ensurdeceu-nos como uma vingança. Houve um exagerado  silêncio, Cacat não teve tempo para terminar o grito. Voou da árvore para o  chão com a velocidade de um ferido a tentar uma fuga. Imaginámo-lo  imediatamente morto. Agarrava a revista com uma mão fechada sobre as  imagens de mulheres, sem pudor, os dedos de silêncio a imitar o odor das inspirações poderosas. Por um minuto toda a gente olhava, ninguém se  mexeu.  
Cacat não morreu. 
De todos os meninos escritores nenhum se tornaria escritor. Houve  poetas, naturalmente, um tradutor de prestígio. Aleaa transformou-se  num saltador olímpico e Cacat no empregado mais minucioso de uma  funerária. Nunca deixei de pensar que nenhum daqueles meninos alguma  vez esqueceu aquele dia, aquela beleza e aquele acidente.

More by José Gardeazabal

Depois da Última Ceia

Têm sido dias fantásticos. Morrer é assim, lembro-me de cada minuto. É como se estivesse deitado sobre o mapa do agora, em alto relevo. Estou de costas, para sentir cada pico de montanha, cada vale, todas as planícies. A vida não corre para a frente nem para trás, é só agora, agora, agora. Ao fim de algum tempo sinto uma dor extremamente localizada, tal qual um punhal, e fico extraordinariamente acordado, como no instante em que o juiz me condenou à morte. Morrer é assim, acontece várias vezes, mas uma delas é a definitiva. A sensação de fim pode durar muito tempo, comigo dura desde o anúncio ...
Written in PT by José Gardeazabal
More in PT

Sobre os corcéis e os demónios

Recordo o dia de ontem como se fosse ontem. Em Bruxelas, apanhei um comboio – aliás, dois, porque tive de mudar para a correspondência – para Haia só para ver uma única pintura.     O demónio obcecou-me com um desejo obsessivo, pelo que simplesmente tive de ir.      Mas a viagem estava longe de ser o que eu imaginava, o que confirmei quase imediatamente depois de sair do hotel, então deixei tudo e todos para trás.      Na estação de comboios de Bruxelas, Gare du Nord, quase embarquei num comboio errado porque sincronizei-me com o horário da Gare Central, de modo que, em vez de comprar o bilhet...
Translated from SL to PT by Barbara Jursic
Written in SL by Mirt Komel

Bárbaros no Império Romano

Porque caiu o Império Romano? Esta pergunta atormentou a civilização  europeia em toda a sua história, a par (de modo por vezes explícito, por  vezes subentendido) com a reflexão sobre as consequências que aquele  acontecimento longínquo tem no presente. Impressionados pelas ruínas  monumentais de Roma e instruídos sobre a sua herança imaterial, olhámos  com admiração as suas conquistas económicas, tecnológicas e culturais: e  perguntámo-nos qual teria sido a evolução da civilização ocidental se a  queda do Império não tivesse modificado as condições individuais de vida  e redimensionado drast...
Translated from IT to PT by Ana Cristino
Written in IT by Fabio Guidetti

Perguntem ao Relâmpago

Não era a minha intenção causar um burburinho. Mas de repente assim  foi. Falei na escola sobre o acidente de viação e uma coisa levou à outra. Estava pela ponta dos cabelos com os exames, de maneira que nunca  conseguia acordar a horas, embora me propusesse sempre na véspera de  cada prova a folhear atentamente tudo aquilo que ainda não tinha  aprendido. Depois do bipe irritante do despertador da minha mãe, que  tinha de estar bem mais cedo no emprego, voltava sempre a cair num sono  profundo, tão profundo que mal ouvia o meu próprio alarme. O meu pai  vinha-me então tirar do ninho mesmo a te...
Translated from NL to PT by Xénon Cruz
Written in NL by Carmien Michels

Very Important Person

Mais uma vez, passei o dia inteiro a olhar fixamente para os números luminosos por cima do elevador: 8… 7… 6… 5… 4… 3… 2… 1… “Bom dia, senhor Seljak.” Cumprimento-o sempre, uma vez que sou um profissional. Responde-me com silêncio, ele também o é. Quando tenho sorte, um vinco resplandece no seu rosto de pedra. Se tem um bom dia, levanta a sobrancelha direita, como se me quisesse dizer: “Eu sei quem és tu, mas os meus pensamentos são de diretor.”   Quantas vezes disse a mim mesmo que ia deixá-lo em paz. Que não iria fazer caso dele, como ele não faz caso de mim. Mas a minha mãe ensinou-me a ser...
Translated from SL to PT by Barbara Jursic
Written in SL by Andraž Rožman

O tempo é um circo

De madrugada, sonhou com um crime cometido sob uma amendoeira e quatro bilhetes de lotaria, todos sem prémio. Era domingo. No sonho, o jovem médico chorou e despertou com as bochechas húmidas, abraçado por uma tristeza púrpura. Come sem apetite, veste-se de luto e espera pelo telefonema que deveria confirmar quem morreu nessa noite. O seu avô nascera perto do início do século XX num mundo demasiado longínquo para que as pessoas tivessem mantido algumas fotografias dele. O pai do seu avô tinha falecido trinta anos antes do jovem médico nascer. Ele vinha de um tempo ainda mais antigo, quando os ...
Translated from RO to PT by Simion Doru Cristea
Written in RO by Andrei Crăciun

O Sol quando Cai

I  Na manhã de 11 de julho de 1978, parte em direção a Barcelona um camião  com um carregamento de propeno líquido. O camião vem de uma  pequena cidade na Catalunha e é conduzido por um motorista que, no  meio da sua cara brilhante, usa um grosso bigode. Já trabalha há vinte anos  para a mesma empresa, com o mesmo camião, e conhece a rede rodoviária  de Espanha de cor. Para evitar portagens, escolhe sempre as estradas  interiores.  As botijas de gás não foram feitas para ficar muito tempo ao sol, e uma  enorme cisterna com vinte e cinco toneladas de propeno, apesar de só  poder conter dezano...
Translated from NL to PT by Xénon Cruz
Written in NL by Joost Oomen