View Colofon
Original text "En Verre Vingers Tien" written in NL by Joost Oomen,
Other translations
Published in edition #1 2017-2019

E lá longe Dedos Dez

Translated from NL to PT by Xénon Cruz
Written in NL by Joost Oomen

POLEGAR 

Mesmo estando no décimo segundo andar, consegues ouvir o barulho das  obras. Estás a lavar a louça. Rebolaste para fora da cama, vestiste uns boxers  e, de tronco nu e sem meias, começaste a lavar a louça. Como não saiu logo água quente da torneira, esqueceste-te de abrir a torneira da água fria, pelo  que a água ficou demasiado quente, magoando-te as mãos. Quando as tiras  
debaixo de água, ficam vermelho-vivas. 
A banca está toda coberta de louça suja. Também no chão da cozinha estão  panelas, travessas de vidro e pilhas de pratinhos com requeijão ressequido  nas bordas. O chão da cozinha não está revestido por ladrilhos ou um  laminado, encontra-se tudo diretamente em cima do betão bruto. Ouves as  pedrinhas do betão a riscarem no vidro ao puxares com o pé uma travessa  suja para perto de ti.  
Lavas uma faca grande de cozinha. Dobras a pequena esponja cor-de-rosa à  volta da lâmina e fazes passar a faca, de trás para frente, pela mão protegida  pela esponja. 
De repente a faca começa a estrebuchar-se. Assustas-te, largas a esponja e  tiras a mão de baixo de água. A faca continua a dar voltas sobre si mesma,  como um atum em pânico acabado de apanhar que tenta desengonçar-se  de uma rede de pesca. A faca estrebucha-se tanto que a água do lava-louça  
salpica por todos os lados. Os teus boxers e os teus seios ficam molhados.  Aterram-te gotas nos lábios. Consegues sentir na boca o sabor a limão  artificial do detergente. A faca refulgente reflete a luz do candeeiro do teto  da cozinha como um risco amarelo comprido diretamente sobre o gume.  O traço brilha por baixo da água, enquanto a faca procura, em pânico, uma saída daquelas quatro paredes de aço inoxidável. 
Vês que é a tua própria mão esquerda que está a provocar o estrebuchar da  faca. Largas a faca. A água volta a acalmar-se. No fundo da pia, a faca  recupera o fôlego. 
Puxas a corda da tampa do ralo e a água do lava-louça desaparece. Quando  pensas que a água do lava-louça cai de uma altura de doze andares para em  seguida, numa curva de noventa graus, se estatelar no chão, quase começas  a chorar. 

INDICADOR 

Estás de frente para a sanita branca com a porta aberta atrás de ti. Com a  tua mão esquerda, agarras tufos de pelos púbicos. Giras os pelos à volta do dedo e corta-los com a tesoura de cozinha. Hoje és um rapazinho. Deitas os  tufos de pelo na sanita. Os pelos ficam a flutuar. Puxas o autoclismo. Os  pelos desaparecem todos. Durante o resto do dia tens comichão nas virilhas. 

MÉDIO 

Lês na Bíblia a história daquela vez em que Jesus teve uma dor de dentes.  Na história, Jesus está sentado com os seus apóstolos num pomar cheio de  limões maduros a saborear uma tarte de frutos, mas a cada dentada Jesus  contorce-se com dores nos dentes. Os apóstolos veem o seu líder em  sofrimento e propõem todo o tipo de remédios. Pedro envia o seu xerpa para a montanha para ir buscar folhas de coca e, depois de o xerpa regressar  com um saco de plástico cheio, Pedro tenta enfiar sorrateiramente as folhas  entre as dentadas que Jesus vai dando na tarte. Lucas tira uma garrafa de  cerveja fermentada de baixo da toga e puxa pelos cabelos de Jesus,  inclinando a sua cabeça para trás, para lhe poder encher a boca. Sorrindo como manteiga derretida, Jesus resiste a todos os esforços curativos dos  seus discípulos. Em seguida, baixa-se e apanha uma pedrinha preta do  chão. Mete a pedra na boca. Com a língua põe a pedra no sítio certo e abre  bem a boca. Um buraco preto escancarado com uma língua vermelha à  frente e atrás uma fila de molares desgastados. Depois, com uma pancada  colossal audível em todos os recantos de Israel, Jesus volta a bater com os  maxilares um no outro. Lucas, Pedro, Marcus, Johnny e todos os outros  apóstolos apanham, naturalmente, um susto de morte, mas Jesus leva a  mão à boca e cospe-lhe para dentro. Na mão encontram-se quatro pedaços  de dente e a pedrinha preta. Com o dedo indicador, Jesus escava cinco  pequenos buracos na terra do pomar de limoeiros. Em cada buraco planta  um pedaço de dente e no último a pedrinha. Passado um ano, do primeiro  pedaço cresce um damasqueiro, do segundo uma cerejeira-brava. Do  terceiro pedaço de dente cresce um chorão e do quarto um cipreste. Da  pedrinha cresce, passados largos anos, um castanheiro. Por trás de cada  uma das folhas palmiformes cresce, envolta numa casca espinhosa, uma  nova pedrinha preta. 

ANELAR 

O apóstolo Johnny veio ter contigo durante a noite. Sonhavas com uma  passadeira com um semáforo do outro lado da estrada. Eras a única pessoa  do lado de cá, do lado de lá estavam milhares de pessoas. Quando a luz  ficou verde, começaste tu e os milhares de pessoas a avançarem na direção  uns dos outros. Enquanto as pessoas avançavam na tua direção, elas iam  gritando: «Uaaa! Uaa-Uaa-Uaa! Uaaa!» Algumas até gritavam um «uaaaaa» alongado, enquanto batiam com as mãos no peito. Era  aterrador. 
Subitamente, o apóstolo Johnny encabeçou a multidão. Ele vestia uma  camisa azul-clara, umas calças da mesma cor e sapatos brancos. Tinha um  sorriso largo, a boca aberta e as sobrancelhas pretas curvavam-se sobre os  olhos como arcos do triunfo. Quando ele te alcançou no meio da estrada,  tirou uma faca da cinta e cortou um dos teus dois pesados seios. Com o teu  seio na mão, virou-se graciosamente, o braço bem levantado. Do lado  cortado e aberto do teu peito, jorrava um sem-número de pequenos  diamantes sobre a massa de gente. 
Depois, uma gaivota surgiu sobrevoando. As suas penas feitas  impermeáveis, completamente imbuídas de gordura. Tinha uma pedrinha  preta no bico amarelo pontiagudo. 

MINDINHO 

Hoje à tarde alguém fez deslizar um envelope com notas pela tua caixa do  correio. Viste-o acontecer. Uma sombra arrastada e arqueada no corredor  exterior, atrás do vidro fosco. O levantar da tampa, o surgir de um dos  quatro pontos brancos, o cair do envelope no tapete áspero castanho. A  sombra desapareceu e não fazes ideia de quem tenha sido. 

MINDINHO 

Doze andares é pavorosamente alto. Às vezes custa-te muito ficar aqui, a  esta altura. Às vezes rodas o termóstato até ele não dar mais, esperas até  estar um calor e uma sequidão infernais, tiras a roupa e encostas o teu  corpo nu contra a janela grande. Consegues sentir a frescura deliciosa da  janela na tua bochecha, no teu tórax, na tua barriga e nas tuas coxas. As tuas nádegas também se querem refrescar, mas ainda não é a vez delas.  Sentes os salpicos amarelos de luz da cidade inteira a trespassarem-te o  corpo nu. 

ANELAR 

Um senhor veio visitar-te. Ele apresentou-se como sendo o Amir, o Amir  da cooperativa de habitação. Porque estava o Amir vestido de palhaço? O  Amir disse, surpreendido, que não estava nada vestido de palhaço. Só  podias dar razão ao Amir. 
O Amir veio entregar-te uma carta onde dizia que eras a única pessoa que  ainda residia no bloco de apartamentos e que a câmara e a cooperativa de  habitação tinham ambas decidido que tinhas de abandonar o prédio algures nos próximos dois meses. Disseste ao Amir que não ia dar. O Amir  perguntou porque não ia dar. Disseste que não podia ser. O Amir disse  que por ele podia. Ao dizer isto, o Amir tentou esboçar um sorriso  amanteigado igual àquele que Jesus tinha feito no pomar de limoeiros. Só  o conseguiu por metade. Uma metade da cara do Amir virou manteiga, a  outra metade virou aço inoxidável. Foi o que lhe disseste. Pensaste que lhe  disseste isso. Na verdade, disseste: «Uaa! Uaa-Uaa-Uaa! Uaaa!», após o que  a cara do Amir murchou, ele agarrou nos pertences que tinha e num passo  apressado caminhou em direção à porta de entrada. O Amir deixou a porta  com o vidro fosco toda aberta. 
Depois de escurecer lá fora, as luzes do corredor exterior acenderam-se.  

MÉDIO 

No meio do Oceano Índico, entre a Tailândia e a Índia, existe uma ilha do  tamanho de Manhattan coberta, na sua totalidade, por uma floresta  tropical verdejante e impenetrável. Nas fotografias aéreas é possível  distinguir, nas profundezas da floresta, três pequenas lagoas. A praia  branca parece um paredão à volta da floresta, mas, devido à abóbada  folhada das árvores, só se pode adivinhar o que se passa na ilha. 
A ilha chama-se Sentinela do Norte. Serve de morada ao último grupo de  pessoas na Terra que vive completamente isolado do resto do mundo. O  governo indiano, que detém a administração da ilha, proibiu estritamente  qualquer tentativa de estabelecer contacto com a tribo que vive na ilha.  Desde que a proibição entrou em vigor em 1996, houve apenas um encontro entre os Sentineleses e a civilização moderna. Dois pescadores,  que pescavam ilegalmente nas águas à volta da Sentinela do Norte,  adormeceram e foram levados, juntamente com o barco, para águas pouco  profundas mesmo à beira da ilha. Quando um grupo de sentineleses  armado com arcos e flechas os descobriu, os pescadores foram perseguidos, capturados e mortos. 
Apenas um punhado de não-sentineleses puseram os pés na floresta da  Sentinela do Norte. A única vez em que uma expedição penetrou a mata  foi em janeiro de 1880. Um grupo de aventureiros britânicos, ao comando  do capitão Maurice Vidal Portman, encontrou um sistema de trilhos no  denso matagal e, depois de os seguir, alcançou uma aldeia. A aldeia tinha  sido abandonada. Facas de bambu e panelas deixadas para trás indicavam  que os habitantes tinham partido com grande pressa. No meio da aldeia, a  expedição encontrou um enorme monte de carvão, cinza e troncos de  árvore queimados. Ainda estava em brasa. O monte era tão grande que o capitão Portman supôs que o fogo já deveria estar aceso havia décadas.  Visto não terem encontrado, nenhures na aldeia, pederneiras ou arcos para  fazer fogo, Portman determinou que o fogo na aldeia teria, algures no  passado, sido originado acidentalmente por um raio e mantido aceso ao  longo de gerações. O grande fogo estava agora extinto. 
Nunca nenhum sentinelês tentou alguma vez sair da ilha. Os Sentineleses  permanecem escondidos entre as folhas da floresta verde. Pequenas ondas  atingem calmas a praia branca. Se te sentares numa cadeira e não te  mexeres, fechares os olhos e pensares neles, podes ter a certeza de que eles  estão, nesse preciso momento, a viver na sua ilha. À espera de um relâmpago e totalmente alheios à tua existência. 

INDICADOR 

— Apóstolo Johnny — dizes tu. 
— Apóstolo Johnny, consegues ouvir-me? 
Não vem nenhuma resposta. 
Deitaste-te de costas em frente à porta de entrada, com o pescoço na soleira  e a cabeça mesmo a chegar ao corredor exterior. Olhas para as estrelas. Está  frio. O vento faz sons sussurrantes enquanto se torce incansavelmente à  volta do bloco de apartamentos. As estrelas também produzem som.  Consegues ouvir o zunido grave delas, enquanto emitem para os teus olhos  luz vinda de biliões de quilómetros de distância. Algumas estrelas  encontram-se a mil anos-luz umas das outras, embora tu as consigas  absorver num só relance. Um funil feito de fios luminosos de proporções  intergaláticas acaba precisamente na tua pupila. 
— Apóstolo Johnny — dizes às estrelas. 
— Apóstolo Johnny, consegues ouvir-me? 
Mas não há nenhuma nave-mãe que envie um sinal. Nenhuma estrela que  te pisque o olho, nenhuma lua que caia e te engula na sua luz branca  prateada. A mão do apóstolo Johnny permanece oculta na escuridão do  céu, os seus dedos não se mostram e não te apanham do chão. 

POLEGAR 

Mesmo no décimo segundo andar, consegues ouvir o barulho das obras. A  voz de um homem, um rádio, um berbequim. O vento e os sons entram na  tua casa em catadupa pela porta de entrada aberta e, se fores para o  corredor exterior e estenderes a mão fora do parapeito, consegues sentir que chove, embora o céu esteja, no que a tua vista alcança,  inquebravelmente azul. 
Não são gotas de água que caem cá para baixo, é o Espírito Santo. Pequenos  e infindáveis Espíritos Santos caem na palma da tua mão e voltam a deslizar  dela em pequenas torrentes ou ficam nela postados como flocos de neve.  Flocos de Espírito Santo caem rodopiando e tu és feliz. Viras-te, ficando de  costas voltadas para o parapeito, e tentas inclinar-te para trás o mais que  consegues e abres a boca para que o Espírito Santo possa cair para dentro  de ti. 
Mas, assim que te inclinas no parapeito, o Espírito Santo muda de forma.  Se há pouco o Espírito Santo era só água e neve mansas, agora ele cai a  potes do céu sob a forma de pioneses, lâminas de barbear e tampas de latas  velhas. Assustas-te e tentas proteger a cara com as mãos. Mas o Espírito  Santo corta-te, rasga-te, passa-te pelas bochechas, a testa, e dos pequenos e  infindáveis cortes começa a sair sangue escarlate. 
É então que desistes. Sentes a parte superior do parapeito a passar pela  região inferior das tuas costas, para baixo, passando pelo teu rabo, e o  centro de gravidade do teu corpo desloca-se, de súbito e com um puxão,  para o topo da tua cabeça e cais. De pés virados para cima e braços abertos,  vês a zona de obras a vir na tua direção. 
— Apóstolo Johnny, consegues ouvir-me? — Mas nunca nenhuma estrela  levou alguém.

More by Xénon Cruz

Manobra

É fim de janeiro, um sábado, um ano depois de teres deixado o vaporizador  de arroz em casa dela. Enches duas canecas de café e tiras as fatias de pão da  torradeira. O açucareiro está na penúltima prateleira do armário em cima  do fogão. Quando te esticas para lá chegar, o teu ombro faz um som  enjoativo. Ela levanta os olhos do telefone, que está pousado ao lado dos seus óculos, em cima da mesa de jantar. Pões o açucareiro em cima da mesa,  pedes licença e choras na casa de banho. Se expirares lentamente, quase não  se conseguem ouvir os soluços. Um eco, se tanto. Um segredo que partilhas  c...
Translated from NL to PT by Xénon Cruz
Written in NL by Simone Atangana Bekono

O Sol quando Cai

I  Na manhã de 11 de julho de 1978, parte em direção a Barcelona um camião  com um carregamento de propeno líquido. O camião vem de uma  pequena cidade na Catalunha e é conduzido por um motorista que, no  meio da sua cara brilhante, usa um grosso bigode. Já trabalha há vinte anos  para a mesma empresa, com o mesmo camião, e conhece a rede rodoviária  de Espanha de cor. Para evitar portagens, escolhe sempre as estradas  interiores.  As botijas de gás não foram feitas para ficar muito tempo ao sol, e uma  enorme cisterna com vinte e cinco toneladas de propeno, apesar de só  poder conter dezano...
Translated from NL to PT by Xénon Cruz
Written in NL by Joost Oomen

Perguntem ao Relâmpago

Não era a minha intenção causar um burburinho. Mas de repente assim  foi. Falei na escola sobre o acidente de viação e uma coisa levou à outra. Estava pela ponta dos cabelos com os exames, de maneira que nunca  conseguia acordar a horas, embora me propusesse sempre na véspera de  cada prova a folhear atentamente tudo aquilo que ainda não tinha  aprendido. Depois do bipe irritante do despertador da minha mãe, que  tinha de estar bem mais cedo no emprego, voltava sempre a cair num sono  profundo, tão profundo que mal ouvia o meu próprio alarme. O meu pai  vinha-me então tirar do ninho mesmo a te...
Translated from NL to PT by Xénon Cruz
Written in NL by Carmien Michels

Chiclete Blues

23,40 euros. É esse o montante que figura, em algarismos verde-alface, na  registadora do guiché. Umas mãos pálidas e enrugadas colocam  cautelosamente, uma por uma, as moedas amarelas e castanhas na gaveta  do dinheiro, ao lado de uma nota de vinte euros. Logo a seguir, as mãos  fecham a pequena carteira em pele, ao mesmo tempo que uma voz  condicente de senhora emite sons apaziguadores.  — Calma, também te vão dar um bilhete — cochicha a senhora ao  seu cão, que, tal como ela, permanece fora do alcance do nosso olhar. Quando a gaveta se volta a abrir, as moedas desapareceram e, no  lugar del...
Translated from NL to PT by Xénon Cruz
Written in NL by Carmien Michels
More in PT

O retrato

A casa tinha uma porta de carvalho e uma fachada imponente. Não havia nomes na campainha. David demorou um pouco a descer e eu fui olhando a rua à minha volta. Era calma e branca, não se comparava com o bairro ao pé do canal onde a Sam e eu morávamos. Eu oscilava entre o devaneio e a irritação, como me acontecia muitas vezes quando era confrontada com coisas que não me podia permitir. Ele abriu a porta e sorriu-me. Tinha a camisa aberta. Eu subi as escadas atrás dele e fui novamente envolvida pelo cheiro dele: nozes e terebintina. O atelier estava tão desarrumado como da outra vez, mas havia...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Hannah Roels

Perguntem ao Relâmpago

Não era a minha intenção causar um burburinho. Mas de repente assim  foi. Falei na escola sobre o acidente de viação e uma coisa levou à outra. Estava pela ponta dos cabelos com os exames, de maneira que nunca  conseguia acordar a horas, embora me propusesse sempre na véspera de  cada prova a folhear atentamente tudo aquilo que ainda não tinha  aprendido. Depois do bipe irritante do despertador da minha mãe, que  tinha de estar bem mais cedo no emprego, voltava sempre a cair num sono  profundo, tão profundo que mal ouvia o meu próprio alarme. O meu pai  vinha-me então tirar do ninho mesmo a te...
Translated from NL to PT by Xénon Cruz
Written in NL by Carmien Michels

Clarões

Numa coletânea de ensaios intitulada O Zen e a Arte da Escrita, Ray Bradbury escreve que, dos vinte e quatro aos trinta e seis anos, passou o tempo a anotar listas de substantivos. A lista dizia mais ou menos assim: O LAGO. A NOITE. OS GRILOS. A RAVINA. O SÓTÃO. O RÉS DO CHÃO. O ALÇAPÃO. A CRIANÇA. A MULTIDÃO. O COMBOIO NOTURNO. A SIRENE DOS NEVOEIROS. A FOICE. O CARNAVAL. O CARROSSEL. O ANÃO. O LABIRINTO DE ESPELHOS. O ESQUELETO. Ultimamente, aconteceu-me uma coisa semelhante. Vivi numa família que me proporcionou uma boa educação e uma boa forma de estar no mundo, mas ultimamente tenho pe...
Translated from IT to PT by Vasco Gato
Written in IT by Sara Micello

O Sol quando Cai

I  Na manhã de 11 de julho de 1978, parte em direção a Barcelona um camião  com um carregamento de propeno líquido. O camião vem de uma  pequena cidade na Catalunha e é conduzido por um motorista que, no  meio da sua cara brilhante, usa um grosso bigode. Já trabalha há vinte anos  para a mesma empresa, com o mesmo camião, e conhece a rede rodoviária  de Espanha de cor. Para evitar portagens, escolhe sempre as estradas  interiores.  As botijas de gás não foram feitas para ficar muito tempo ao sol, e uma  enorme cisterna com vinte e cinco toneladas de propeno, apesar de só  poder conter dezano...
Translated from NL to PT by Xénon Cruz
Written in NL by Joost Oomen

O reencontro

Já chega. Arrumei as malas, o fato na capa, a calçadeira de sapatos e entreguei a chave. Até casa tenho de conduzir durante seis horas, mas o caminho de regresso é mais curto. Abri a janela e, com a cabeça de fora, atravesso cada vez mais rápido a avenida principal da cidade. No fresco da noite e da velocidade, o ar corta-me a face e isso recorda-me a aspereza da esponja desmaquilhante. Tenho uma tez sensível e não suporto com facilidade o tratamento que os apresentadores do noticiário têm de fazer para não se parecerem com uma lua cheia de brilho – é-lhes aplicada uma camada de base em pó, qu...
Translated from RO to PT by Cristina Visan
Written in RO by Alexandru Potcoavă

Ponto de fuga

Trata-se da história de um homem que não quer perder o caminho para  casa. Ele é feito de massa de pão. Parte de casa. À medida que vai  caminhando, retira uma migalha de si próprio e deixa-a cair no chão.  Começa por retirar um dos braços. De seguida, as orelhas. O nariz. Mais  tarde, arranca uma parte da barriga, surgindo um buraco. Na cena  seguinte, olhamos através do buraco da barriga do homem. Através do  buraco da barriga dá para ver, à distância, uma casa pequena. Atrás da  janela, vê-se uma mulher idosa à mesa. A mulher encontra-se a amassar  massa de pão. Música comovente. Fim.  Trat...
Translated from NL to PT by Pedro Viegas
Written in NL by Maud Vanhauwaert