View Colofon
Original text "Het gaat over" written in NL by Maud Vanhauwaert,
Other translations
Published in edition #1 2017-2019

Ponto de fuga

Translated from NL to PT by Pedro Viegas
Written in NL by Maud Vanhauwaert

Trata-se da história de um homem que não quer perder o caminho para  casa. Ele é feito de massa de pão. Parte de casa. À medida que vai  caminhando, retira uma migalha de si próprio e deixa-a cair no chão.  Começa por retirar um dos braços. De seguida, as orelhas. O nariz. Mais  tarde, arranca uma parte da barriga, surgindo um buraco. Na cena  seguinte, olhamos através do buraco da barriga do homem. Através do  buraco da barriga dá para ver, à distância, uma casa pequena. Atrás da  janela, vê-se uma mulher idosa à mesa. A mulher encontra-se a amassar  massa de pão. Música comovente. Fim. 
Trata-se de uma pessoa que é feliz, mas nada por aí além. 
Trata-se de uma pessoa que é triste, mas nada por aí além. 
Trata-se de uma pessoa que, no momento em que tem algo especial para  partilhar, já não tem com quem partilhar. 
Trata-se de um homem que não quer perder o caminho para casa.  Ele fala com todos os padeiros da sua aldeia. Em conjunto, cozem um pão  gigante. O homem prende o pão gigante às costas e parte de casa. À medida  que caminha, o homem retira uma migalha e deixa-a cair no chão. Atrás  das costas, os chapins vão colhendo as migalhas com o bico. Depois de  meses a vaguear, o homem encontra-se à beira de um precipício. Ele vira-se  e repara que o caminho de migalhas já não existe, mas que há imensos  chapins. Os chapins pegam no homem pelos braços e levam-no para casa.  Música comovente. Fim. 
Trata-se de uma mãe com uma chave na mão, a qual pertence a uma casa  que já não existe.

Não é a nudez do pai que inquieta o Arhus. O Tamaz costuma caminhar  seminu pela casa e o rapaz já conhece o seu tronco de olhos fechados. Os  ombros estreitos. A pança arredondada, saliente e extremamente lisa. O  
umbigo, uma espécie de buraco negro, onde o Arhus, por vezes, e  especialmente aos monótonos domingos à tarde, se perde a olhar, à espera  que ele o engula e transporte para um país das maravilhas, como um poço  da história da Dona Ola. O umbigo como uma espécie de ponto de fuga.  Trata-se de um sítio muito especial, e o Arhus tem perfeita consciência  disto. Porque é também através do umbigo que as crianças nascem. A  Bebbia contou-lhe isto, um tempo atrás. Por esta razão, a mamã tem uma  pequena bola no umbigo. É o lóbulo da orelha ou o dedo mindinho de  uma criança, ou, quem sabe, o umbigo de um irmão ou irmã, à espera de  nascer. 

O Arhus encontra-se à entrada da pequena casa de banho. Ele vê o pai  ajoelhado junto à banheira. A torneira encontra-se aberta. O Arhus não  consegue ver a barriga do pai, porque o pai está de costas para ele. Todos os  meses, a Medea depila as costas do marido com cera de açúcar. Ela notou  que os pelos nas costas do marido nem sempre seguem o mesmo padrão, surgindo em padrões variados. Ela comparou-os com estorninhos, os quais  se movem em diferentes formações. Os estorninhos formam, agora, uma  nuvem densa, junto ao ombro esquerdo. Na casa de banho, sente-se o  vapor quente da água. Faz lembrar uma nebulosidade matinal, mas já é de  noite. «Papá, o que estás a fazer?», quer perguntar o Arhus. Ele sente a boca um pouco seca, apesar de haver muita humidade aqui. Ele sente os  nervos à flor da pele. As palavras não lhe saem da boca. Parecem ficar  retidas na garganta, sem poder com uma gata pelo rabo. 

Atrás da banheira encontra-se a sanita, e acima desta uma pequena janela.  À noite, quando vai lavar os dentes, gosta de se pôr em cima da tampa da  sanita, para espreitar para a rua através da janela, para a praça onde os  homens, à noite, bebem tsjatsja e jogam nardi (uma vez, a Bebbia segredou lhe que alguns homens jogam o jogo com as suas próprias pedras dos rins),  e onde as mulheres já se encontram a descascar e cortar os vegetais para o  dia seguinte, ao mesmo tempo que vão cortando nas pessoas dos seus mais  recentes mexericos. Quando a janela se encontra embaciada, depois de  alguém ter tomado um banho quente, o Arhus faz um desenho na mesma.  Por vezes, sem pensar; outras vezes perfeitamente concentrado.  Frequentemente, desafia-se a si próprio a desenhar uma casa em que o  telhado não se pode ter condensado até a última janela ter sido finalizada.
Já se passaram semanas desde que o Arhus fez desenhos no vapor pela  última vez. Não porque ele já se sente demasiado velho para este tipo de  coisas, mas, simplesmente, porque já faz algum tempo que eles não têm  água quente. Quando, por acaso, têm, nunca dura mais que meia hora,  pelo que a janela não tem tempo de ficar embaciada. 

Havia um acordo implícito entre os moradores do bairro. Quando um  deles reparava que tinha voltado a haver água quente ou eletricidade, as  crianças podiam atar latas às bicicletas e dar umas voltas, de forma a fazer  um barulho ensurdecedor. Em pouco tempo, as crianças iam-se  aglomerando e, num abrir e fechar de olhos, pedalavam em pelotão  desorganizado pelo bairro. O Arhus teria de aproveitar a oportunidade. Ele  teria de correr para a rua, pegar na bicicleta, atar-lhe latas, tão rápido  quanto possível, e, com as latas a chocalhar, dar voltas pelo bairro. Ele seria  o novo arauto. Todas as crianças segui-lo-iam e, à noite, toda a gente  felicitá-lo-ia. Provavelmente, nessa noite, ficaria de pé até muito mais tarde  do que era normal. Porém, há algo que o faz hesitar. 
      «Papá, o que estás a fazer?» Ele consegue ver, perfeitamente, as  costas do pai, mas não a cabeça, porque esta se encontra, parcialmente,  dentro da banheira. O Arhus vai à procura de apoio no caixilho da porta.  As mãos dele estão húmidas. Ele já se esqueceu daquilo que o tinha levado  à casa de banho. Ele lembra-se de que já se encontrava na cama a dormir.  Por que razão é que ele se levantou? O que é que o fez acordar? Tinha de  fazer chichi? Ele faz alguma pressão no abdómen, mas não sente qualquer  tensão na bexiga. As paredes da casa de banho encontram-se húmidas do  vapor no ar. Nas costas do pai, resplandecem os chapins. 

A água quente continua a sair da torneira. Apenas agora, o Arhus reparou  na luz cor de laranja que entra pela janela. Aquela luz tem de ser do  candeeiro de rua. Pelos vistos, voltou a haver eletricidade, por alguns  momentos. O Tamaz encontra-se de joelhos, debaixo de uma nuvem de  vapor, numa luz de fundo. Por onde anda o primeiro arauto? Será que  todas as crianças já se foram deitar? Que horas são, então? Por que razão é  que ele não se consegue mexer? Será que existe um serviço público na  cidade capaz de ligar o gás e a eletricidade, mas também capaz de ligar o seu  corpo? 

O Arhus apenas se apercebe do que se está a passar quando o Tamaz, de  repente, fecha a torneira. Ele repara que a banheira se encontra cheia de  figuras de gesso do pai: o farol, o submarino, o dirigível, o globo… Aquelas  figuras em que o pai despendeu anos da sua vida e que guarda na vitrina da  sala de jantar, por cima da prateleira onde a mamã exibe as peças de cristal da marca Svarovski, com a forma de personagens da Walt Disney. Por um  instante, o Arhus fica a pensar que o pai estava a batizar estas mesmas  figuras. Sim, o ambiente na casa de banho é, de certa forma, solene e, quem  sabe, o papá é uma espécie de rabino que se encontra a executar um  mikveh. Se calhar, o pai faz isto todas as noites sem ele se aperceber, pelo facto de, por volta destas horas, normalmente, já se encontrar na terra dos  sonhos. O Arhus tem perfeita consciência do valor emocional que estas  figuras têm para o pai, pelo que, para ele, não seria motivo de admiração se  o pai todas as noites os batizasse e abençoasse. A casa de banho, um lugar de  rituais estranhos, rituais esses que ainda vão além da sua compreensão,  devido à sua tenra idade. 

O Arhus repara na forma como as figuras de gesso ficam a flutuar à  superfície da água, a dar cambalhotas para a frente e para trás, de forma  agitada. «Claro», pensa o Arhus, «o papá quer salvá-las.» A banheira é  uma espécie de arca de Noé que irá proteger as figuras do dilúvio. Mas será  que não é estranho que a arca já esteja completamente cheia? O papá põe as mãos grandes na água e junta as figuras todas. O Arhus suspira de alívio. O  papá vai retirar as figuras da água, enxugá-las e voltar a colocá-las na vitrina. 
Porém, de seguida, vê o pai a pegar no farol e parti-lo ao meio. O Tamaz  mostra-se prostrado, um farrapo peludo no chão, mas com uma obsessão  impulsiva nas suas mãos. As outras figuras terão o mesmo destino, quer  queiram quer não. Ele dá cabo delas todas, uma por uma. Os restos das  figuras ficam a flutuar à superfície da água, água essa que vai ficando cada  vez mais turva, até ter adquirido um aspeto leitoso. 

«Papá!», grita o Arhus, desta feita alto e bom som. O Tamaz olha para trás,  mas sem se assustar. Se calhar, já se tinha apercebido da presença do filho.  O Arhus repara nas lágrimas nos olhos do pai. Por um breve momento, fica  a olhar para o filho, para, de seguida, prosseguir com a tempestade das  pequenas esculturas. O Arhus não sabe o que fazer. Ele não sabe se deve  entrar na casa de banho e puxar os ombros do pai, de forma a pará-lo.  Talvez ainda consiga salvar algumas esculturas e sacá-las da água da  banheira. Ou será que deve deixar o pai seguir o seu rumo, correr para o  quarto, tirar o rato Mickey de gesso da caixinha e atirá-lo à água? O coração  para de bater por um segundo. E se o pai já tiver roubado o rato Mickey do  seu quarto? Se calhar, foi esta a razão que o levou a acordar, pelo facto de o  pai se encontrar no quarto. 

Não, correr para o quarto seria uma espécie de traição. Ele tem de ficar na  companhia do pai. Ele tem de ser testemunha daquilo que o pai se encontra a fazer. O Arhus vai ter com o pai. Ele arregaça as mangas da  camisa do pijama, ajoelha-se, dobra-se sobre a borda da banheira e, com as  suas mãozinhas gorduchas, ajuda o Tamaz a destruir as figuras de gesso, as quais, pouco a pouco, se vão desfazendo na água quente. 

Nenhum deles diz uma palavra, e o Arhus ainda não sabe bem qual é a  ideia por trás disto tudo, mas ele sente que é importante. Pode ser que a  água, pouco a pouco, se vá tornando uma espécie de papa espessa  esbranquiçada. Uma banheira cheia de gesso na forma líquida. Se calhar,  de repente, o papá irá olhar para ele como se de um conspirador se tratasse. Nesta altura, tornar-se-á claro aquilo que o pai espera dele. Ele vai-se  levantar e meter uma das pernas dentro da banheira. Ele vai sentir o gesso  suave e quente. De seguida, vai meter a outra perna na água e, finalmente,  agachar-se na banheira. 

Entretanto, o papá irá buscar a mamã. Ela estará aqui na casa de banho. Os  olhos dela ainda estarão um pouco ensonados. Ela irá despir o vestido de  noite e a bolinha da barriga dela tornar-se-á visível. Talvez mais pequena do  que nunca. Ou talvez não. Também ela se vai sentar na banheira. Ela irá  abrir as pernas e aninhar-se nele. Por último, o papá juntar-se-á a eles. Ele  sentar-se-á atrás da mamã. A banheira não é muito grande, mas, se eles se  abraçarem firmemente uns aos outros, o espaço será suficiente, com o  Arhus na cabeceira. O gesso molhado transbordará as bordas da banheira.  Fluirá pelos ouvidos, nas narinas, pelos olhos e nos umbigos. E assim  ficarão, naquele gesso quente e agradável. Eles permanecerão sentados até o  gesso começar a solidificar. Ainda será de noite, mas tudo se tornará mais  branco e claro. Tudo se tornará mais claro, mesmo quando a luz cor de  laranja do candeeiro de rua se apagar. Tudo se tornará mais claro, ainda  que, em lado nenhum, se consiga ouvir um arauto a chocalhar as latas e eles  se encontrem sozinhos num vazio silencioso. Eles não sabem quem irá  escrever nomes no gesso, mas tal não tem qualquer relevo. Completamente  engessados, eles estarão armados. E eles não necessitarão de o pronunciar,  porque eles os três já o sabem: absolutamente nada é capaz de os quebrar.

More by Pedro Viegas

Uma declaração de dependendência

Recentemente, cruzei-me num churrasco com uma pessoa que tinha  acabado de ter um bebé. O churrasco era a primeira atividade fora de casa  pós-parto. Com o bebé nos braços, confessou o quão dependente se tinha  tornado. Esta palavra fazia-lhe surgir uma expressão de deceção na face, e  contava isto como se de uma confissão se tratasse.  Ela parecia considerar a dependência como uma forma de fracasso. Tal como todos nós, julgo eu.  A dependência é, normalmente, associada a algo fraco e pouco atraente,  quase feio. A independência, por sua vez, é vista como algo forte e atraente,  o objetivo a a...
Translated from NL to PT by Pedro Viegas
Written in NL by Rebekka de Wit

Mesmo Que apenas Uma só Gota Possa Ser Vista

The white cracker who wrote the national anthem knew what he was doing. He set the world “free” to a note so high nobody can reach it. That was deliberate. Angels in America,   Tony Kushner O meu pai e eu íamos a caminho do aeroporto. Eu ia passar um mês aos  Estados Unidos e ele fazia questão de se despedir de mim lá.  Ia a Charleston, uma pequena cidade no litoral da Carolina do Sul.  O meu pai perguntou-me como é que a cidade era, e eu apercebi-me,  nessa altura, de que não tinha ido à procura de quaisquer imagens no  Google. A única coisa que sabia é que tinha havido um tiroteio na cave ...
Translated from NL to PT by Pedro Viegas
Written in NL by Rebekka de Wit

Mas a casa ainda mora em mim

Um batismo. Um novo começo. Uma capa preta por cima dos meus  ombros, como um manto cerimonial. Ela pega na minha cabeça e inclina-a,  cuidadosamente, para trás. A água parece muito mais suave do que a água  do meu duche em casa. As suas pontas dos dedos massajam o meu couro  cabeludo. A minha cabeça. Esta minha cabeça. Esta cabeça sem a qual não posso viver. Esta cabeça pesada. Esta cabeça que se anuncia. Esta cabeça em  que pensamentos. Sempre pensamentos sem aviso prévio. Pensamentos  que nunca cessam. Fecho os olhos e tento imaginar que, juntamente com a  minha cabeça, ela também massaja o...
Translated from NL to PT by Pedro Viegas
Written in NL by Maud Vanhauwaert

Diário de Bordo de Um Último Dia

I suppose, I said, it is one definition of love,  the belief in something that only the two of you can see. Rachel Cusk, Outline Pela enésima vez, proíbe-me de retirar o mapa da ilha da minha mochila. «Assim, parece que somos turistas», diz ela.  «Mas nós somos turistas, ou não?», pergunto eu.  Ela não dá resposta, mas fica a olhar para o ecrã do telemóvel com as  sobrancelhas franzidas.  Uma pessoa tinha-lhe recomendado uma aplicação através da qual  era possível descarregar mapas de uma área específica, para poderem ser  usados offline. Pelo facto de nos guiarmos pela seta verde no ecrã de...
Translated from NL to PT by Pedro Viegas
Written in NL by Lotte Lentes

Como nos tornaremos menos

1. Na sua sala de estar, encontra-se pendurado, para além de um calendário, a conta de um restaurante onde tinham decidido ficar juntos e algumas fotografias, uma lista de todos os animais e plantas que se encontram em risco de extinção: 3.079 e 2.655, respetivamente. Ela já tinha esta lista desde os seus treze anos, e, por ausência de autocolantes, tinha colocado pensos junto aos animais que desejava ver. Ele pensou que se tratasse de uma lembrança da infância dela e nunca tinha considerado a possibilidade de irem à procura de animais e plantas em risco de extinção. Quando um novo animal entr...
Translated from NL to PT by Pedro Viegas
Written in NL by Rebekka de Wit

O nosso pai

O corpo inteiro do meu meio-irmão tomou a forma da sua indiferença. As suas pernas, ligeiramente arqueadas e enfiadas numas calças de ganga desbotadas, acabam em pés que quase não levanta do chão enquanto caminha, pelo que a sua presença é constantemente acompanhada por um som de arrasto dos pés. A parte superior do seu corpo é como um bolo deformado colocado à volta da cintura. Tem ombros curvados para a frente e braços esguios que só levanta quando é mesmo necessário. Mas aquilo que primeiro me salta à vista quando ele surge por trás da porta de casa são as suas sobrancelhas e os cantos da b...
Translated from NL to PT by Pedro Viegas
Written in NL by Lotte Lentes
More in PT

Mas a casa ainda mora em mim

Um batismo. Um novo começo. Uma capa preta por cima dos meus  ombros, como um manto cerimonial. Ela pega na minha cabeça e inclina-a,  cuidadosamente, para trás. A água parece muito mais suave do que a água  do meu duche em casa. As suas pontas dos dedos massajam o meu couro  cabeludo. A minha cabeça. Esta minha cabeça. Esta cabeça sem a qual não posso viver. Esta cabeça pesada. Esta cabeça que se anuncia. Esta cabeça em  que pensamentos. Sempre pensamentos sem aviso prévio. Pensamentos  que nunca cessam. Fecho os olhos e tento imaginar que, juntamente com a  minha cabeça, ela também massaja o...
Translated from NL to PT by Pedro Viegas
Written in NL by Maud Vanhauwaert

O metro

Na segunda-feira de manhã ouvi o metro chegar à estação no momento em que introduzia o bilhete na máquina e, embora ainda não estivesse atrasado e mesmo que estivesse, não havia problema, embora estivesse abraçado pelo desejo absoluto de apanhar aquele metro, um desejo não tanto como uma vontade, mas como um anseio bizarro de vingança, lançou-se pelas escadas abaixo. Aconteceu algo muito curioso. Assim como se diz que quando se morre, toda a vida te passa pela frente dos olhos, naqueles breves segundos de que precisou T. para saltar os degraus, toda a sua vida lhe passou pela mente a uma veloc...
Translated from RO to PT by Simion Doru Cristea
Written in RO by Cătălin Pavel

Para não Te Ver

Já sabes que levei os miúdos, as roupas, as coisas do banho, a comida  biológica dividida em pequenas porções dentro de tupperwares de cores  berrantes como as da Benetton, levei também os livros deles, porque de  noite é só pela leitura que consigo convocar o sono do Rogério, e não raras  vezes ele acorda horas depois com um pesadelo a esganar-lhe a maçã-de adão, e eu abraço-o, como te abraçava, Rita, quando fazíamos um ninho  tão perfeito que quem nos visse de cima poderia facilmente confundir-nos  com um daqueles símbolos chineses a preto-e-branco onde se vêem  explicados a imortalidade e o...
Written in PT by Valério Romão

O final feliz

      Foi a chuva que me acordou. Meteu-se no meu sonho e no início eu não sabia de que mundo vinha. Eu a nadar na infinidade do Pacífico. Sei que era o Pacífico, conheço bem o Oceano Pacífico da televisão. Eu a nadar no turquesa e no cristal. É assim mesmo que dizem nas reportagens, turquesa e cristal. Na anca levava umas fitas que apertavam o fato de banho com umas continhas coloridas penduradas. Recordo-me dele das fotos, o meu primeiro fato de banho, ainda de menina. Enquanto eu fazia o nó, o céu abriu e deixou cair uma cortina de água. As gotas pesadas caíam na minha cabeça e nos meus bra...
Translated from SR to PT by Ilija Stevanovski
Written in SR by Jasna Dimitrijević

Uma vida a meio

Casablanca, 1954 Ela filtra o ruído das crianças a brincar lá fora e todos os dias guarda alguns sons aos quais se agarra obstinadamente. Colhe os poucos sons que penetram através das paredes. Passados alguns meses já conhece os vizinhos todos, embora nunca saia do quarto. Sabe que estão sempre a aparecer credores em casa dos vizinhos do lado, mas não adianta porque o homem não quer pagar. «Nem que me arranquem primeiro os órgãos do corpo e me matem depois» é o que o ouve dizer à mulher depois de os credores saírem. Quando ouve estas coisas tem a sensação de ser um elo na história e nos segre...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Aya Sabi

Eu não era, mas agora sou. Sensível a qualquer mudança do tempo.

Lá do outro lado do canal levávamos na cara com o vento carregado de flocos de neve, mas depois de atravessar a ponte, já nesta margem, fica-se de costas ao vento, o que torna o processo todo um pouco mais agradável. Desta nova posição a paisagem pode ser contemplada com menos esforço, sem fechar os olhos. O canal ainda não está completamente congelado mas não tarda e o gelo fecha e cobre tudo, é questão de poucos dias. Não há nada a fazer. À primeira parecia ser uma miragem, mas logo se confirmou que havia lá, no meio do canal, um cisne a tentar passar abrindo sempre um caminho na superfície ...
Translated from SR to PT by Ilija Stevanovski
Written in SR by Marija Pavlović