View Colofon
Translations
Published in edition #1 2017-2019

Natalya

Written in PT by Valério Romão

Assim que soube que o problema era evasão fiscal liguei ao meu  contabilista 
ó Zeferino, mas que porra é esta, tu explica-me lá que porra é esta,  disseste-me que tinhas tudo sob controlo, para ignorar as cartas das  finanças que tratavas de tudo, tu explica-me que porra é esta, e à Misé, a quem há apenas dois dias dera um anel de zircónio muito  decente, 
temos de devolver a jóia, princesa, depois explico-te 
lavei o bucho com dois calmantes e meia garrafa de vodka, estendi-me no  sofá e meti o portátil no chão a vomitar folhas de Excel para que, na  eventualidade de alguém chegar, a minha interrupção de realidade passasse  apenas pelo cansaço inevitável que acomete até os mais labutadores. Foram horas de sono polvilhado de imagens perturbadoras, a miúda a ver o  pai ser algemado e escoltado até ao carro da PJ, no qual cuidavam de me  proteger a cabeça à entrada para evitar que os pudesse processar por maus tratos, como nos filmes, e a Misé tentando conter um choro incessante nos  braços de um inspector mais propenso ao consolo daqueles que ficam, a  sentença sumária sem possibilidade de recurso, que com o IVA não se brinca, 
esperávamos que com a sua idade e história contributiva soubesse  disso, senhor Fonseca, 
e eu a sacudir do capota a água com muitos nomes: 
foi o contabilista, lhe garanto, e o director financeiro há-de ter tido  parte nisto, que um homem na minha posição tenta apenas traçar um  caminho de futuro para a empresa, não se mete nas folhas de cálculo da  vida para tentar sacar uns trocos ao estado, não consegue, não tem tempo,  mas o veredicto é rápido e isento de quaisquer espinhas de dúvida,  culpado, mínimo cinco anos — com bom comportamento — e a vida ou o  que dela resta esboroa-se sem complacência apesar do discurso do  empreendedor que semeou empregos pela comunidade. 
Acordei com a vozinha da Natalya a dar-me um responso o sénhior sábie que a dotora não gosta qui o sénhior dúrmia áquie,  não sábie, avinagrado pela caldeirada de luzes a trespassar-me as pálpebras,  reticentes à vontade de desapertarem o abraço, e com a Natalya a passear o  aspirador repetidamente à volta da minha cabeça como se não houvesse  sala e pó além daqueles três metros quadrados à volta do sofá, eu, bilioso, tens visto a Crimeia, Natalya, aquela confusão, aquela vergonha,  Natalya, ou ainda estás demasiado ocupada com aquele teu projecto de  compendiares em registo de esquisso todas as pichas dos Olivias, que eu já vi esse caderno, Natalya, um Moleskine dos chineses que a  Maria Leonor me trouxe na ponta dos dedos, tremelica,

quorror, quorror, tu já me viste isto 
a mão esquerda a tapar o sarcófago da boca 
são só pichas, Leonor, são só pichas 
mas têm nomes e idades, Zé, olha aqui por baixo 
a apontar para os teus gatafunhos em cirílico 
todas as pichas têm nome, Leonor, e não temos nada a ver com a  vida privada da miúda 
mas tu achas que ela já viu esta gente toda 
ela tem idade para já ter visto muita coisa, Leonor, vai masé pôr isso  onde o encontraste quainda apanhas uma doença 
ai que tens razão, quorror 
e lá foi ela calçar umas luvas salmão de lavar bidés para voltar a meter-te  na mochila o compêndio anatómico das tuas aventuras por terras lusas,  Natalya, já viste se tivessem sido os miúdos a apanhar-te isso, as perguntas  que não te fariam quando os fosses meter na cama, Natalya, esquece as  princesas mágicas e o coelho da Alice, as crianças são crianças, têm o arrojo  de quem come com os cotovelos na mesa e em menos de nada te  rebentavam essa couraça de anjo que lhes emprestaste aos olhos a troco de  beijinhos e de os velares noites afora, saramposos ou constipados, na  educação a gente só precisa falhar uma vez, Natalya, meia vez apenas, se  quisermos ser correctos, 
tu achas que a gente a deve manter, Zé, uma miúda com esta idade e   já tão rodada 
e eu, deitado, a ler um mau livro e a fingir que é tudo normal, Natalya,  toda a gente a dormir com toda a gente, numa orgia de coelheira o importante é que a miúda é trabalhadora, Leonor, e além disso as  crianças adoram-na por isso, mesmo, Zé, já viste se os miúdos descobrem, o choque que  não vai ser, já pensaste nisso 
a argumentar contra mim próprio — tanta picha, Natalya, uma floresta  infindável de manguitos — apenas para contrariar os assomos puritanos da  doutora 
os miúdos nesta idade já sabem tudo o que têm a saber, Leonor, não  vamos fazer disto um drama 
e a pensar porque me recusaste até a magreza de um broche o sénhior meita isso pra dientro, dôtor, meita isso pra dentro ou eu  contio à dotora 
eu que de bom-grado largava já a Misé, duas vezes mais velha que tu  e não sei quantas vezes mais cara, se me deixasses levar-te, semana sim  semana não, a comer um gelado pós-coital, num hotel do Estoril de onde se  vê um mar que nos faz ainda mais pequenos do que já o somos

ela nunca mais trouxe aquele caderno nojento, que eu revisto-lhe a  mala todos os dias, mas mesmo assim 
nada que tu tenhas na terrinha de onde fugiste, Natalya, aquele  enclave entre um lago empestado de fragatas russas e o brilho compósito  das crianças de Chernobyl 
ó Zé, e se ela também lhes tira fotografias com o telemóvel e nem imaginas como estiveste perto de lá regressar, directa daqui  para a Portela e da Portela para Kiev, num Tupolev pintado a trincha, não  tivesse convencido a Leonor de que seria impossível distinguir uma picha  de um acidente de carro numa fotografia que tirasses, por causa da  resolução do teu telemóvel rupestre com um ecrã do tamanho de um selo,  mas ela 
podes até ter toda a razão do mundo, mas não estou descansada. Quando do tribunal nascer lavrada uma declaração de insolvência, terá  deixado de haver há muito tempo cavalos aos domingos, festas de  aniversário temáticas e a segurança aristocrática do colégio privado. A mão  enorme do arresto de bens não se esquecerá de gatafunhar onde nem a  Maria José se conseguirá lembrar de ter escondido a última das jóias de  família. A casa será invadida por uma trupe de angolanos que postarão no  Facebook as fotografias da melhor vista sobre a cidade até ao liminar fastio.  Tudo o que temos agora viverá para sempre por detrás de qualquer porta  fechada, numa arritmia de espectro. 
Deixa-me contar-te da minha casa num monte alentejano, Natalya. De  como poderíamos ir para lá juntos, cada qual a fugir do seu inferno muito  próprio, e eu era capaz de juntar uns trocos que nos durassem até mesmo  depois da minha morte, se nos convertêssemos ao mantra da simplicidade,  tu e eu e aquele teu caderno onde incipientemente desenhas em negativo  especular a carne mais sozinha do mundo. Não te garanto que  desenhássemos todos os dias ou com tanto afinco, Natalya, e sobretudo  com tanta variedade temática. A custo conseguiria compreender um  embeiçamento casual pelo rapaz da tua idade que fizesse a entrega do pão, e  terias de mim a certeza de uma anatomia pronta a corresponder ao teu desejo como só um corpo inteiro e justo o pode fazer, Natalya, e o mais  perto a que chegarias da ruidosa implosão ucraniana seria pelas manchetes  dos jornais, que em caso algum compraríamos.

More by Valério Romão

Para não Te Ver

Já sabes que levei os miúdos, as roupas, as coisas do banho, a comida  biológica dividida em pequenas porções dentro de tupperwares de cores  berrantes como as da Benetton, levei também os livros deles, porque de  noite é só pela leitura que consigo convocar o sono do Rogério, e não raras  vezes ele acorda horas depois com um pesadelo a esganar-lhe a maçã-de adão, e eu abraço-o, como te abraçava, Rita, quando fazíamos um ninho  tão perfeito que quem nos visse de cima poderia facilmente confundir-nos  com um daqueles símbolos chineses a preto-e-branco onde se vêem  explicados a imortalidade e o...
Written in PT by Valério Romão

A aprendizagem

Quando construí o primeiro, pensei ter criado uma obra-prima. Como um pintor a terminar o quadro inaugural da sua carreira, que renegará com a mesma veemência com que o perfilhou originalmente. Fi-lo à minha imagem e semelhança e, quando lhe vi vida nos olhos pela primeira vez, foi como se me olhasse ao espelho. Apenas pela dessincronia do reflexo desfiz o equívoco. Não fui módico nas habilidades que lhe dispensei: força, agilidade, espírito combativo, uma extraordinária capacidade estratégica. Ainda assim, levei apenas dez minutos a derrotá-lo. Parecia estar a lutar com uma criança amblíope e...
Written in PT by Valério Romão
More in PT

Os Meninos Escritores

Quase tudo o que aconteceu nesse dia passa-se aqui. Estou com o indicador  apontado à cabeça. Muitos anos depois, enquanto levo o meu filho a  descobrir o gelo, ainda recordo todos os acontecimentos daquele único dia  como «o fuzilamento».  Ninguém morreu. As pessoas eram perigosas, especialmente as  crianças pequenas, penduradas nas árvores. Os pés a balançar — e era da  língua no meio da boca que viriam os piores crimes.   Ouvir dói, caminhar é um truque. Caminhemos.   Mesmo os pequenos ditadores envelhecem. Os filhos coabitam a  terra com os pais, há milhões, talvez milhares de anos. Imagin...
Written in PT by José Gardeazabal

Mudar de ideias

A Maixa recomenda-me que pronuncie todas as sílabas, sem me armar em londrina, que não me alongue muito no enquadramento teórico, que experimente o equipamento informático antes de começar a defesa, que seja humilde, que tome nota das perguntas e sugestões do júri e que os convide para almoçar num restaurante de menu fixo. A June opina que isso do menu é muito foleiro e sugere-me um refeitório na faculdade, uma citação de Weber, meio Lexatin ao pequeno-almoço e dar-me boleia até Gasteiz. Aceito a bibliografia e o transporte. Saímos de Bilbau com a minha mãe, a minha prima e o meu namorado co...
Translated from ES to PT by Miguel Martins
Written in ES by Aixa De la Cruz Regúlez

Torcidos

Naquela noite chamava-me, e não parecia que fosse parar. — Mamã. Mamã!  Dizia-o assim, oferecendo-o a mim e ao quarto enquanto se encolhia  numa escuridão de cera, cheia de brinquedos (a sua única propriedade).  Voltou a gritar-mo, com muito mais força, e então afastei o olhar e acariciei  o copo de uísque, mesmo debaixo da base, até que a humidade passou para  a ponta do dedo.  A palavra estava bem cosida ao seu cérebro desde bebé.  Fiquei muito quieta enquanto observava a forma brilhante e obsti nada da gota. Não era um crime deixar que aprendesse a sentir frio, ou  como tragá-lo. Imaginava ...
Translated from ES to PT by Matias Gomes
Written in ES by Matías Candeira

Eu não era, mas agora sou. Sensível a qualquer mudança do tempo.

Lá do outro lado do canal levávamos na cara com o vento carregado de flocos de neve, mas depois de atravessar a ponte, já nesta margem, fica-se de costas ao vento, o que torna o processo todo um pouco mais agradável. Desta nova posição a paisagem pode ser contemplada com menos esforço, sem fechar os olhos. O canal ainda não está completamente congelado mas não tarda e o gelo fecha e cobre tudo, é questão de poucos dias. Não há nada a fazer. À primeira parecia ser uma miragem, mas logo se confirmou que havia lá, no meio do canal, um cisne a tentar passar abrindo sempre um caminho na superfície ...
Translated from SR to PT by Ilija Stevanovski
Written in SR by Marija Pavlović

Alguns meses mais tarde

12 de agosto  «Mohamad, daqui a meia hora, esteja perto do telefone. Acho que a encontrei!» Salto da cama num empurrão, visto-me abstraído o mais rápido possível e saio da pensão. Rápido. Como se fosse diferente chegar a casa cinco minutos mais cedo ou mais tarde. Quase corro, descendo a ladeira na direção do porto, ali entre o bairro judeu de Hardara Carmel e o outrora palestiniano de Wadi Salib. Porém, ouço a serra que provavelmente corta o ferro e as galinhas e os galos. Incrível. O cheiro a fazenda no meio da cidade que quer apagar a sua história e ser moderna. Como se regressasse ao ano...
Translated from SL to PT by Barbara Jursic
Written in SL by Andraž Rožman

O Comunismo Visto por Criancinhas

Tenho quatro anos e nunca subi mais além do primeiro andar. Estou  convencido de que a serpente azul do corrimão é infindável, que ela sobe,  sobe e sobe, rebenta o teto de alcatrão do nosso prédio e avança invisível até  ao céu. É um pensamento que não partilho com ninguém. O meu medo  aquece-se na chama deste pensamento.  As pessoas descem dos andares superiores, lá do céu, por vezes falam  entre elas em surdina e não oiço o que dizem. Mas nunca há um silêncio  combinado entre elas. Nunca há silêncio. Os murmúrios flutuam de uma  para outra. São como algumas abelhas ou talvez como algumas mo...
Translated from RO to PT by Simion Doru Cristea
Written in RO by Andrei Crăciun