View Colofon
Original text "Wyspa" written in PL by Urszula Jabłońska,
Other translations
Mentor

Marco Neves

Proofread

Paulo Capinha

Published in edition #2 2019-2023

A Ilha

Translated from PL to PT by Katarzyna Ulma Lechner
Written in PL by Urszula Jabłońska

Até hoje não sei bem o que estava a fazer nas ilhas. De que estava à procura? Sei só o que deixei para trás. O país que me deu o passaporte. A mulher que me deu a vida. Tantas coisas que podia comprar com dinheiro. O mundo que eu não conseguia e não sabia mudar.

A água do mar estava morna. Ao anoitecer, as ondas resplandeciam repletas de plâncton. Depois de tantos anos de viagem, já não sabia reconhecer bem as docas entre palmares onde normalmente costumava apanhar os sucessivos barcos. Fiquei confusa com os nomes das ilhas, todos começados por palavras como koh e nusa. Fiquei confusa com os olhos escuros e a roupa colorida dos outros passageiros. No entanto, no meu percurso às vezes encontrava pessoas que também estavam à procura, tal como eu. Trocávamos algumas palavras. “De onde és? Para onde vais?” eram palavras de saudação e de despedida ao mesmo tempo, sabíamos bem que não tinham qualquer importância. Até encontrar o Tomasz, estava a procurar de olhos fechados.

*

Sentou-se ao meu lado numa taberna perto das docas. O sol estava a desaparecer lentamente no horizonte. As esposas dos pescadores estavam ocupadas a limpar as redes pesqueiras depois de um longo dia de pesca. Uma mulher pequenininha ao lado do carrinho de macarrão lavava loiça de plástico. Não consegui decifrar o rótulo na garrafa de whisky local. Era escura tal como o mar, que sempre murmurava à distância.

— Sou da ilha — disse, respondendo à minha saudação. Ao ouvir a minha pergunta: “de qual?” ergueu as sobrancelhas. — A ilha não tem nome. Tal como as pessoas que lá vivem.

*

Olhava-me gentilmente por baixo da sua franja escura. A t-shirt mostrava o seu corpo magro e musculoso. Era difícil adivinhar a sua idade. A pele queimada pelo sol mostrava as primeiras rugas. Senti que naquela noite, nesta mesma taberna, queria saber mais sobre ele. Disse que nasceu perto do lago. A sua mãe estava deitada no meio de lençóis brancos. As mulheres mais velhas seguravam a sua mão e enxugavam o suor da sua testa. As tochas estavam acesas. Os outros habitantes reunidos ao redor, dançavam e cantaram pela noite dentro. Quando finalmente veio ao mundo, todos queriam segurá-lo por alguns instantes. A nova vida cheirava a mistério.

Passou os primeiros anos de vida com os pais. Bebia leite da mãe e recebia o amor incondicional das pessoas que o trouxeram ao mundo. Quando fez três anos, mudou-se para a sala de visitas para ficar lá junto de outras crianças. Toda a gente estava disponível para eles, qualquer um que quisessem. Cada um tinha a possibilidade de sentir amor e intimidade, nojo e irritação. Os pais podiam ir vê-lo quando quisessem, caso ele também quisesse.

O seu pai e a sua mãe foram das poucas pessoas que a comunidade autorizou a trazer uma criança ao mundo. A comunidade considerou-os suficientemente responsáveis, estáveis emocionalmente e cientes das suas limitações. Mesmo assim, o seu amor não sobreviveu aos três anos de proteção e acolhimento da criança. Quando Tomasz saiu de casa para ficar na sala de visitas, terminaram o namoro e conheceram outras pessoas.

— Na ilha não há famílias — explicou ao ver a minha reação cheia de surpresa. — Cada um pode ter tantas relações quantas quiser. Há casais que se apaixonaram há muitos anos e continuam juntos, vivendo um para outro. Mas há também outras pessoas que saltam de namoro em namoro, nunca sentindo a necessidade de ir mais longe. E há aqueles de coração tão grande que podem amar muitas pessoas ao mesmo tempo, tanto homens como mulheres. A ilha é para qualquer um. Quando Tomasz era pequeno não sabia brincar com outras crianças. As pessoas na sala de visitas sabiam disso e deixavam-no andar por onde queria. Tinham a certeza que cada pessoa que o encontrasse iria tomar conta dele. Na ilha não havia estranhos, por isso, ninguém podia magoá-lo.

Tomasz gostava muito de olhar para os habitantes. Alguns tinham a pele clara e sensível, embora o sol ainda queimasse. Outros tinham um tom de pele da cor do chocolate e cabelo preto como o carvão. Havia pessoas de cabeça rapada como monges, outros tinham cabelo até aos pés e nunca se penteavam. Uns tinham vestidos elegantes, batons que brilhavam nos seus lábios e sombras nas suas pálpebras. Para outros, uma faixa de tecido nos quadris bastava.

As casas onde moravam eram tão diferentes quanto eles. Construíram-nas com as suas próprias mãos, com o que lhes deu a ilha e o que o mar deixou na praia. Uns moravam nos simples yurts feitos de linho e varas fortes, outros compactavam a palha em blocos quadrados para mais tarde construir andaimes complicados. Nos lugares que deixaram para trás havia diferentes costumes. Na ilha nenhuma casa era melhor do que outra. Nos seus muitos passeios Tomasz costumava parar ao lado dalguma casa, ajudando a cavar fundações e a empilhar a palha.

*

— Nunca foste à escola? — perguntei, mesmo pressentindo qual seria a sua resposta. Tinha a impressão de conhecer a ilha. Tinha a impressão de ter no meu interior a imagem dela, o seu cheiro, o calor da sua terra. Sentia-a em mim tão claramente como o calor do whisky que agora começava a circular no meu corpo.

Tomasz sorriu.

— Os habitantes ensinaram-me o que sabiam. Eles sabiam como fazer a água fluir no subsolo e sobre ele. Quando chegaram à ilha não havia nela nem árvores nem lago. A terra vermelha estava rachada por falta de humidade, as fontes subterrâneas tinham secado há muito tempo. As pessoas que tinham vivido lá derrubaram as florestas para vender a madeira, exauriram a terra com colheitas intensivas. Quando nada mais sobrou para roubar da ilha, mudaram-se para outra.

Os novos habitantes ouviram a terra. Fechavam os olhos e esmagavam nas mãos os seus caroços duros. Construíram na ilha terraços, valas e represas que diminuíram o fluxo da chuva em direção ao mar. A água infiltrou-se novamente na terra sedenta. Depois de alguns meses, os riachos começaram a correr — primeiro no subsolo, depois sobre a terra. Depois de um ano, no meio da ilha, começou a surgir o lago, trazendo o verde.

Quando isto aconteceu, os recém-chegados formaram um círculo e olharam-se nos olhos. Juraram que a terra nunca mais sofreria pela presença do Homem, que seriam tão cuidadosos quanto cervos num prado. Pode acontecer que, ao correr, os seus cascos duros pisem num arbusto de absinto, mas até à noite todas as suas folhas endireitar-se-ão.

Nos campos cresceram cereais, com os quais se podiam fazer pães que cheiravam bem. Pedaços de terra que geravam feijão, tomate, beringela e vegetais exuberantes. Nas árvores, viam-se os vermelhos frutos da mangueira e da macieira. Os habitantes da ilha sabiam bem que podiam colher da terra apenas um pouco mais do que precisavam. Os produtos que sobravam eram trocados nas ilhas vizinhas por tela, ferramentas e espelhos.

Eles ensinaram o Tomasz a criar estruturas complexas a partir de espelhos, que refletiam a luz do sol para que aquecesse as enormes panelas em que cozinhavam. Ensinaram-no a construir painéis que absorvem energia. A energia era devolvida às lâmpadas quando escurecia ou aos fogões quando soprava um vento frio do mar.

Sabiam amar as “pessoas animais”. Ensinaram o Tomasz que nunca pode matar nenhuma delas. Na ilha, vacas e cavalos pastavam na natureza. Quando ele tinha de ir para o outro lado da ilha, usava as costas dos cavalos. As vacas davam-lhe leite quando estava doente e não se conseguia recuperar. No entanto, ele tinha sempre de pedir consentimento ao animal. Olhava-o intensamente nos olhos e perguntava. Os habitantes mostravam-lhe como ouvir a resposta.

Terminado o período de aprendizagem, o Tomasz estava pronto para trabalhar como os restantes. Na ilha havia sempre qualquer coisa para fazer: semear ou colher as safras, preparar comida, limpar as sobras, construir casas, mantê-las em boas condições. Ninguém recebia mais trabalho do que os outros. Ou seja, alguém o queria. Quando acabava o trabalho, durante o resto do dia e da noite podia fazer o que gostava. E ele adorava tocar guitarra. Os sons harmónicos despertavam no seu coração uma saudade desconhecida. Adorava ficar sentado na praia e olhar para o ritmo calmante das ondas. Direcionava a sua atenção para o seu interior, para o bater do seu coração ou para o exterior — para o bater do coração da natureza. Na ilha, Deus estava em todo o lado e ao mesmo tempo não estava em lado nenhum. Havia um templo debaixo de cada árvore e de cada pedra. Tudo era perfeito. Exatamente como era, como é e como continuará a ser.

*

— Nem todos os lugares são assim — disse, pensando no lugar que deixei para trás.

— Sei disso — Tomasz sorriu tristemente. Uma sombra, quase invisível passou pela sua cara — os meus pais contaram-me histórias do mundo de onde vieram. Das pessoas que constroem cidades, onde há pessoas que trabalham 12 horas por dia e outras que não trabalham. E que alguns acumulam grandes riquezas enquanto outros morrem de fome. De que há pessoas que matam só para ficarem com o que é dos outros. Sobre um lugar onde morrem pessoas e onde morrem árvores, porque as pessoas não sabem conviver com elas.

Os pais do Tomasz lembravam-se ainda dos títulos dos filmes que viram no cinema. Do contacto da espuma com a pele no banho. Do sabor do vinho branco gelado numa tarde quente. Só que na ilha queriam esquecer-se de tudo isso. Sabiam bem que um dia chegará a vontade de ter mais, chegará a tentação de cortar as árvores e vender a sua madeira. De fazer a terra dar mais e mais frutos. Para se esquecerem, os habitantes da ilha encontravam-se uma vez por dia em pequenos grupos. Um de cada vez, cada um ia para o centro do círculo e confessava os seus mais profundos sentimentos. “Eu desejo”, diziam, “sinto luxúria”, “sinto inveja” enquanto dos olhos saiam-lhes lágrimas ardentes. Nesse momento, os restantes aproximavam-se muito deles, abraçavam-nos firmemente e pressionavam os seus rostos contra os seus pescoços. Ficavam assim o tempo necessário para a dor diminuir e, por fim, afastavam-se. Tomasz participou nessas sessões, mas nunca ia para o centro. Não tinha lembranças. Não sentia inveja, não desejava. Ouvia os velhos sussurrarem que quando o último dos que se lembram morrer já não serão precisas sessões.

— Achas que eu poderia navegar para a ilha? — perguntei timidamente ao Tomasz. Estava já completamente escuro, na escuridão mal podia ver o branco dos seus olhos. O ar cheirava a fruta podre, vibrava com o canto das cigarras. As esposas dos pescadores há muito tempo tinham ido para casa. Uma mulher esbelta colocou o carrinho de macarrão num canto e cobriu-o com uma lona. Senti com cada vez mais certeza que a ilha é o lugar de que estou à procura, que é o lugar que todos procuramos.

— Hoje já não sei como chegar lá — disse Tomasz lentamente —, mas sei que é possível.

Às margens da ilha chegavam barcos, trazendo consigo os viajantes casuais. Na ilha ninguém lhes perguntava de onde vinham e o que procuravam ali. Ninguém estava interessado nas terras onde nasceram nem nas ideias que tinham na cabeça. Ninguém, à exceção do Tomasz.

Os habitantes normalmente deixavam os viajantes partilhar comida com eles. Mostravam-lhes a ilha. Respondiam às perguntas, mesmo se as achassem ridículas. Mas, ao pôr do sol, levam-nos à praia, diretamente para os barcos. Nem uma única mão se erguia num gesto de despedida. Também ninguém entrava no barco com eles.

— Eu fui o primeiro — disse Tomasz e ficou calado, a olhar para a noite.

*

Quando disse que queria emigrar — ainda se recorda do som dos gongos — reuniram todos na sala perto do lago.

Na ilha ninguém tem poder sobre uma outra pessoa. Não foram escritos direitos que iriam governar a vida dos habitantes. Na verdade, há só uma única regra que é aplicável: cada um pode fazer o que quiser contanto que não incomode o outro. Às vezes acontecia que duas pessoas se atrapalhavam. Alguém colocou uma casa muito perto do vizinho. Uma outra pessoa incomodava com o seu comportamento barulhento. Neste caso, os dois reuniam-se e discutiam até encontrarem uma solução. Quando era difícil para eles comunicarem, pediam conselhos a qualquer pessoa da ilha. Já houve momentos em que reuniam todos ao sinal dos gongos. Houve um ano em que precisavam de mais materiais de construção do que o costume. Tinham de pensar em como arranjá-los. Houve outro ano em que a terra não dava frutos suficientes e que tinham de pensar em como sobreviver. Os habitantes sentavam-se, então, num grande círculo e discutiam até todos estarem satisfeitos com a solução. Às vezes, isto durava dias inteiros, outras vezes semanas.

Mas a emigração do Tomasz foi uma questão de outra dimensão. Hoje, já não se consegue lembrar de quanto tempo discutiram até todos chegarem a um consenso, mas não houve muitos que tivessem ficado totalmente satisfeitos. Os habitantes mais velhos da ilha tinham lágrimas nos olhos enquanto preparavam o barco para levar Tomasz para o mar. Mas todos sabiam que se dissessem “não” a ilha deixaria de ser a ilha.

*

— Quando entrei no barco não havia nenhuma mão a erguer-se num gesto de despedida — disse, mas não se ouvia pena na sua voz. No horizonte, o céu iluminou-se anunciando um novo amanhecer. Passaram por nós os primeiros pescadores, prestes a levar ao mar outros barcos tão diferentes dos barcos em que vamos entrar. Os seus barcos voltavam sempre à mesma margem, esta margem de onde partem de manhã. Nós estávamos sentados no porto como num bardo, presos entre o sonho e a realidade, entre um mundo e outro.

— Para onde vais? — perguntei na despedida.

— Não sei — encolheu os ombros — só sei o que deixei para trás.


(O pensador inglês Thomas More descreveu a ilha de Utopia — um bom lugar ou um não lugar— até ao qual navegou o viajante português Hitlodeu no século XVII. É bem possível que hoje em dia ele tivesse chegado a essa ilha).

More by Katarzyna Ulma Lechner

Aleksandra Lipczak Themed Text (PT)

Dia 28 de novembro de 2020, um mês depois do dia em que o politizado Tribunal Constitucional tornou o aborto ilegal na Polónia. Magda Dropek, uma das organizadoras dos protestos feministas em Cracóvia, escreveu no Facebook: “Durante estes anos em que apoiei as ações nas ruas tive a certeza de uma coisa: que não consigo gritar e clamar, que sou demasiado caótica para falar de maneira rápida e lógica, por isso, sempre me senti bem em transferir o que penso para o papel ou para o ecrã, escrever, comunicar sem usar a voz. Ainda por cima, a minha voz, detesto-a. Nas últimas semanas gritei como nun...
Translated from PL to PT by Katarzyna Ulma Lechner
Written in PL by Aleksandra Lipczak

Mudança

— Apanhe o elevador, eu vou a correr pelas escadas — grita o jovem médico descendo rapidamente escada abaixo, saltando vários degraus de uma vez. Não conseguir não é uma opção. Algumas semanas atrás, ainda no puerpério, a mãe relatou ao pediatra: o bebé não para de chorar. Na primeira consulta ouviu: amamente-o bem e vai acalmar-se. Na segunda clínica ouve: são cólicas, deixe de comer fritos, a qualidade do leite vai melhorar e o bebé vai deixar de chorar tanto. No gabinete privado, o médico pôs-se a rir: — Porque não haveria de chorar? É um bebé. Os pediatras estavam calmos, mas o choro d...
Translated from PL to PT by Katarzyna Ulma Lechner
Written in PL by Joanna Gierak Onoszko
More in PT

Linguado

Flutuo com a cara dentro da água, sem me mexer. Não chamar a atenção, não gastar energia. Simplesmente boiar. Expirar lentamente, muito lentamente. Pequenas bolhas que me fazem cócegas nas faces quando sobem. No último momento o meu corpo vai estremecer, a barriga vai encolher-se para forçar a boca a abrir-se e, nesse momento, vou levantar resoluta e calmamente a cabeça para fora da água e engolir uma grande golfada de ar. Ninguém dirá «72 segundos!» É um talento que não nos leva a lado nenhum na vida. Quando muito, mais perto de nós próprios. Estou sentada no fundo da piscina e olho para ...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Nikki Dekker

Outra Cidade

Outra cidade Amesterdão no limiar do outono era colorida e caprichosa. O sol alternava-se com a chuva, e isso repetia-se uma e outra vez tal como Ave-Marias num rosário. Encontrava-me debaixo da ponte, esperando até que um dos breves aguaceiros parasse. Tinha planeado uma viagem de bicicleta pelos arredores de Amesterdão. Quis ver aqueles famosos pólderes - canais de água que cruzam os prados verdejantes dominados por moinhos de vento que esticam os seus braços, feito uns espantalhos no campo. Era suposto ser a minha primeira viagem na nova cidade. A primeira experiência que de alguma forma i...
Translated from CZ to PT by Stepanka Lichtblau
Written in CZ by Anna Háblová

Empalhar um corpo

Debaixo da nossa pele há mundos inteiros. Se é que se pode confiar nas ilustrações. Às vezes não tenho a certeza. Agarro na minha clavícula. Fica toda espetada para fora quando encolho os ombros. Faço isso muitas vezes. A clavícula é um ossinho sólido mas fino. Podia parti-lo. Talvez não com as mãos nuas, mas se lhe desse uma pancada com um objeto pesado, com aquela estátua de pedra maciça, por exemplo... Aí era de certeza. Não é preciso muito para acabar com tudo. Basta engasgarmo-nos uma vez e já está. Para onde é que vão os bocados de comida que entram no canal errado? Além das amígdalas pe...
Translated from NL to PT by Lut Caenen
Written in NL by Nikki Dekker

Moça-Morte

Bloqueio da linha. O suicídio por estrangulamento é relativamente raro. Segundo a prática habitual, o garrote costuma ser enrolado mais vezes e até pode ser assente em algo macio. Durante o estrangulamento, a irritação do nervo vago e a compressão das artérias carótidas impedem o fluxo de sangue para o cérebro e fecham a circulação respiratória. É que a laringe pode não fechar completamente e por isso morrer assim leva mais tempo do que no caso do enforcamento - a menos que tudo resulte em apenas uma perda de consciência e o soltar do garrote. Ao contrário, o enforcamento tem sido desde há ...
Translated from CZ to PT by Stepanka Lichtblau
Written in CZ by Lucie Faulerová

Dicionário do Recluso

O Dicionário do Recluso encerra as vozes e as histórias de homens que se encontram detidos na cadeia de Turim, Estabelecimento Prisional Lorusso e Cutugno, Ala V do Pavilhão C, destinada aos “presos protegidos”. Nasce de um laboratório de escrita realizado no interior da prisão durante dois anos. Todos nós sabemos o que querem dizer “casa”, “inverno”, “amor”, e o seu significado é absoluto. Mas na cadeia o significado das palavras muda, e essa mudança nasce do espaço: lá dentro só existe o dentro, e as palavras tornam-se pré-históricas. Quer isto dizer que é como se estivessem paradas num tem...
Translated from IT to PT by Vasco Gato
Written in IT by Sara Micello

Amanhã

Deitada de costas, no conforto macio dos lençóis, com os olhos fixos num ponto invisível do tecto do quarto, Carlota tentava a custos regular a respiração que se mantinha alterada desde que o sonho ansioso que estava a ter a despertou. Já nem se lembrava do que realmente estava a sonhar, só se recordava da sensação desesperada que a obrigou a acordar. E, desde esse despertar abrupto a meio da noite, que ela tentava, de todas as maneiras que conhecia e se lembrava, baixar o ritmo cardíaco, até aquele momento sem sucesso. Desistiu, empurrou a coberta para trás e levantou-se da cama, sem antes o...
Written in PT by Patrícia Patriarca